JANELAS PARA DENTRO DE MIM

por Cristina Santinho (CRIA-ISCTE)


“As fotografias são um meio de tornar ´real` (ou `mais real´) questões que os privilegiados e aqueles que estão simplesmente em segurança possivelmente prefeririam ignorar”. Estas palavras, de Susan Sontag, adquirem especial sentido nestes tempos de confinamento. O tema que escolhi fotografar – as janelas da casa onde me encontro recolhida – constitui uma metáfora de um espaço simultaneamente doméstico e domesticado, acolhedor e protetor.

(clique nas imagens para aumentar)

Sou agora auto-convidada a refletir sobre mim, dentro da casa-privilégio (pelo facto de a ter) e também sobre os outros, lá fora, no lugar antes social e vital, porque espaço de relações e de estímulos, mas agora circunstância de potenciais ameaças. Revitalizou-se, afinal, a mítica dicotomia referida por Mary Douglas: “pureza e perigo”.

A casa agora higienizada, em contraste com a ameaça dos vírus invisíveis, ameaçadores e intemporais enquanto duram (até quando?) impele-me a procurar pontos de fuga que me protejam da rotina e de mim própria.

Ao abrir as janelas, encontro a paisagem de sempre: a mesma rua, no mesmo bairro; o parque infantil, agora deserto; os aromas de Primavera; o canto dos melros, os gritos dos papagaios (antes não existiam papagaios em Lisboa); até a presença da ausência sonora das brincadeiras dos miúdos na escola da esquina. São, estas minhas janelas, pontos de fuga na arquitetura de um imaginário por vezes inquietante. Metáforas de um mundo distorcido, suspenso no vazio da incerteza de quem iremos ser. São também lugares simbólicos para outras conexões, janelas virtuais, onde o mundo todo, no contacto da mão, se transforma no que quisermos e onde os desejos do presente ganham novas possibilidades incorpóreas, inefáveis, apenas promessas.

Os amigos, distantes no abraço, mas não no contacto permanente, mas também virtual, trazem-me ora o conforto, ora a preocupação pela impotência de agir, de estar lá, se for necessário. As mensagens sucedem-se: “Vou às compras. Precisas de alguma coisa?”; “Bom dia! Como é que é? Dormiste bem?”; “O governo mexicano continua em negação. Como estão as coisas aí em Portugal?”; “Estou à espera de luz verde para fazer o teste. Está difícil, aqui em Copenhaga”.  A família, tranquiliza-me: “Nós por cá, todos bem”.

Através do facebook; Whatsapp e Messenger – os atuais largos da aldeia onde se passeiam as vaidades, se sobe ao coreto e se cochicha em privado – trocam-se receitas de pão e bolos; “postam-se” músicas que alguém aproveita para escutar na cozinha, enquanto prepara o jantar para um; iniciam-se conversas intimas e secretas, desenrolam-se seduções voláteis; soltam-se gargalhadas genuínas e desanuviadoras, no eclodir da criatividade nos posts humorísticos a propósito do Covide. Janelas pouco discretas para o mundo enredado. Tempos virtuais com apenas memórias de corpo ausente.

E neste tempo suspenso em que o mundo se move, movo-me agora para dentro, que é também uma maneira de estar com os outros, no espaço indelével que muitos aqui me deixaram.

Faz-se o que se pode.

Lisboa, 11 de abril 2020.

Ref: Sontag, Susan; 2015; Olhando o Sofrimento dos Outros, Quetzal Editores


3 comentários em “JANELAS PARA DENTRO DE MIM”

  1. Olá Cristina.
    Para mim também é uma fascinação as brechas, fendas e entreabertos para o olhar. Muito lindas suas fotos. Espreitar o íntimo do lado de fora. Suas imagens nos dão a perspectiva oposta: também uma viagem da imaginação.

    1. Olá Cristina.
      Para mim também é uma fascinação as brechas, fendas e entreabertos para o olhar. Muito lindas suas fotos. Espreitar o íntimo do lado de fora. Suas imagens nos dão a perspectiva oposta: também uma viagem para a imaginação.

Responder a Cristina Santinho Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.