SOMOS TODAS RESISTENTES

por Ana Rita Veleda Oliveira, mestranda em Antropologia no ISCSP-UL


A pandemia SARS-CoV-2 não tem nada de democrático. A começar pelo acesso ao isolamento físico, que apenas é permitido a quem tenha habitações adequadas. Algumas mulheres são das principais vítimas do coronavírus, ao ficarem encarceradas com os seus agressores ou mesmo violadores.

Autorretrato de Nan Goldin

A violência doméstica é um crime público em alguns países do mundo, Portugal incluído. O estado de emergência e o isolamento físico generalizado que aqui se vive não terão provocado ainda o aumento de queixas por violência doméstica, apresentadas por vítimas ou testemunhas deste trágico fenómeno. Fechadas em casa com criminosos perigosíssimos entre os quais se incluem violadores, estas mulheres ─ pois na sua maioria de mulheres se trata ─ têm poucos recursos para denunciarem a violência à qual se encontram agora mais expostas, apesar de terem sido criadas linhas específicas de auxílio em tempos de coronavírus e de aparentemente haver mais recursos ao alcance das queixosas.

O alegado silêncio e o silenciamento imposto a estas vítimas aumentam o sofrimento social e a violência experienciada que provocam invioláveis marcas para sempre, quando não matam. Há que redobrar a atenção, pois torna-se provável que os feminicídios também aumentem. O trauma encontra-se à nossa volta e ficará connosco para sempre. Há que redobrar ainda os cuidados e o apoio a estas mulheres, ouvindo os presságios do silêncio.

No meio do betão, nascem porém estratégias diárias de resiliência, que permitem às vítimas de violência doméstica superarem as complicadas adversidades que vivem no seu quotidiano. Importa ouvir e entender estes modos de vida em contextos de catástrofe diários. De sobreviventes.

Barreiro, 10 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 13 Abril). SOMOS TODAS RESISTENTES. CONFINARIA. Recuperado em 2 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/n276

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search