UM ANTROPÓLOGO NO METRO (em tempos de pandemia) *

por João Pedro Sousa, mestrando em Antropologia (NOVA FCSH)


Dia 8 de abril, quinta feira.

7:30 da manhã, linha verde do Metropolitano de Lisboa.

O exército da economia vai para o trabalho. 95% homens. Trabalhadores. Maioria imigrante. O silêncio reina, e a distância é mantida com zelo nórdico.

Foto: João Pedro Sousa (8/04/2020)

Há também empatia e calor no olhar. Quase ninguém usa máscara hoje, ao contrário do que acontecia há umas semanas, o que remete para uma normalidade do anormal. A ameaça integrada no quotidiano.

Conformados, aceitamos o nosso destino.

O nosso medo não é o vírus. É tudo o que o vírus provoca e vai provocar, além da tosse e febre. Memórias da troika, da emigração, cada um com o seu pesadelo pessoal, assolam a imaginação e esperemos não as vidas. Até quando?

Nesta carruagem subterrânea não estamos a pensar na nossa próxima viagem a Paris. Mas sim quanto tempo vamos conseguir pagar a renda sem trabalho. Para nós a quarentena nunca foi opção. Para nós não há tédio caseiro, e por isso não há fantasias de escape para destinos idílicos. A fuga é no presente. E hoje é mais um dia.

Cheguei à Baixa, saio aqui. Hoje o céu está cinzento.

Lisboa, 8 de abril 2020.

*Referência a “Un ethnologue dans le métro” de Marc Augé (1986).



Citar este post
CRIA (2020, 13 Abril). UM ANTROPÓLOGO NO METRO (em tempos de pandemia) *. CONFINARIA. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/n275

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search