DERIVA COTIDIANA | Dia-a-Dia, Outono I

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil

“Tenho apenas duas mãos  e o sentimento do mundo, […]”
(Carlos Drummond de Andrade)

Certa vez, assistindo a um documentário do poeta Paulo Leminski no Youtube, “A Ervilha da Fantasia” (1985) – com direção de Werner Schumann -, me deparei com a seguinte frase: “(…) É através da loucura dos poetas, através da ruptura que eles representam que a sociedade respira.”

“Paisagem cotidiana”, 2020, São Paulo. Rafael Bezzon

Drummond, através de suas poesias e crônicas, sempre foi um respiro para a sociedade, uma forma de refletir sobre a vida cotidiana. A epígrafe acima, de forma simples mas não simplista, exprime o sentimento que me envolve e, também – creio eu – grande parte das pessoas isoladas em suas moradias.

Longe de mim almejar ser esse “respiro” da sociedade, apenas me proponho a refletir sobre o cotidiano e suas transformações. Em dias como os atuais, de pandemia, confinamento e isolamento social, a leitura pode ser uma forma de respirar como nos conta Leminski. Afinal, nada melhor que navegar pelas páginas de um livro – de qualquer assunto, em seus formatos diferentes -, muitas vezes se perder em suas narrativas e, através da forças das palavras, se encontrar.

É próprio do trabalho do antropólogo, ou de todo pesquisador que se propõe a realizar uma etnografia, se perder em águas desconhecidas – para continuar na metáfora -, mas com perspicácia e atenção aos detalhes retomar o leme e o controle da trajetória de seu trabalho.

Durante o cotidiano é comum nos perdermos em nossos afazeres. Nas diferentes atividades que nos propomos a realizar, sejam elas de interesse profissional ou pessoal, sejam nas nossas necessidades diárias: limpar os cômodos da casa, tirar o pó das coisas que acumulamos, limpar e organizar os livros, fazer compras, cozinhar, todas essas pequenas obrigações do dia-a-dia. Nesses dias de confino, essas tarefas saltam aos olhos e vemos quantas atividades são necessárias para permanecermos com nossas vidas em movimento.

O confinamento, seja ele compulsório ou facultativo, nos permite – não a todos como sabemos – esses momentos de reflexão sobre lidar com o cotidiano. Coisas que, dias atrás, pareciam tão simples e insignificantes hoje se tornam difíceis – o próprio hábito de realizar compras para as necessidades diárias -, e perigosas – o simples ato de andar pelas ruas dos bairros e das cidades.

É como se um sentimento de angústia e de privação tomasse conta do nosso corpo, uma sensação de não conseguir respirar. Talvez o vídeo que melhor expresse essa experiência-sensação do isolamento social e do convívio ininterrupto e muitas vezes angustiante dos corpos com os espaços de confino, seja o vídeo-crônica ou a crônica-visual de Jorge Bodanzky. 

Desde aqui, do hemisfério sul, em uma cidade que em dias normais age para não respirarmos, que possamos respirar. Mesmo que para isso tenhamos que (re)inventar e refletir sobre nossa vida cotidiana, nossos pequenos hábitos diários. Por ora, respiremos pelas mãos.

São Paulo, 09 de abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.