Os meus vizinhos são humanos como eu e cantam sempre às 22h

por Nuno Lopes, licenciado em Sociologia (Universidade do Minho)

Nunca tinha reparado muito bem na vista da minha janela. Não tem nada de especial para ver, são só algumas torres residenciais e uma via rápida (sobre)movimentada que me afeta os sentidos da pior maneira possível. Acordo e deito-me com o barulho dos carros que passam e, em tentativas frustradas de me abstrair, já tentei imaginar os constantes “vvvrrsshhhh” como se fosse o barulho das ondas do mar a bater no areal. Não resulta. Isto é, de certo, um esquema armado pelo meu senhorio, com o apoio do Automóvel Clube de Portugal, que não troca a porra das velhas janelas por umas insonorizadas com a finalidade de me expulsarem daqui e arrendar este T1 ao preço de uma vivenda. Enfim, só pelas 23h é que consigo ouvir outros barulhos, como o vizinho de cima a tratar de satisfazer as necessidades básicas ou o vizinho do lado a falar e a bater com garrafas. Na minha cabeça ele está sempre a falar sentado num banco da cozinha, enquanto emborca uma cerveja.

Vista da minha janela (foto do autor)

Com a declaração do estado de emergência tudo mudou. A via rápida parece agora a estrada da minha aldeia, “dolente na tarde calma” e sem esburacar tanto a camada de ozono. Algumas pessoas precisam de baixar o som da rádio para ver melhor e estacionar o carro e isto é verdade porque sem o barulho dos motores a rasgar o asfalto vejo melhor e tenho reparado que existem humanos do outro lado da estrada. Afinal, aquelas torres servem para alguma coisa e não estão ali apenas para me tapar a vista da encosta do Bom Jesus.

Todos os dias reparo num vizinho diferente que aparece na sua varanda e faz uma performance original: um aproveita o sol e passa protetor solar na barriga e na calvície, outra penteia o cabelo debruçada sobre as grades e outros dançam naqueles poucos metros quadrados. Outros ficam à janela e, enciumados por não terem uma varanda para atuar, ficam a julgar quem passa no passeio a pé e teve a ousadia e a #atitudekriminozaknuspodemataratodsiaviadserprezo, de sair de casa. E eu, assim de repente, vi-me sentado oito horas por dia com a vista da janela à minha esquerda, que me permite apanhar um bom sol primaveril, quando o há, enquanto trabalho e oiço vozes, não na minha cabeça, mas nos auscultadores em várias “skypadas” de trabalho. Pimba, comprova-se que o meu trabalho pode ser feito a partir de casa e que todos estes anos escusava de me ter vestido para sair de manhã cedo.

Esta temporada de isolamento tem servido para muita coisa. Toda a gente repara no estado de sujidade em que se encontram as suas janelas, já não é preciso relógio porque os vizinhos avisam cantando, todos os dias às 22h, que é hora de lavar os dentes e “xixi-cama” e parece que, realmente, ficando por casa lá se consegue conter a pandemia.

Braga, 9 de abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.