NOVAS “FRONTEIRAS”

por Maria Abranches, Lecturer in Social Anthropology, University of East Anglia (Norwich, Reino Unido)


São 12 casas. Em cada uma mora entre uma e cinco pessoas, e vários cães, gatos e galinhas. Moro na casa do meio há quase cinco anos. Para além das nossas vidas, nunca aconteceu muito por aqui – um lugar que não é de passagem, porque aqui acaba. Daqui saía-se para a vila ou a cidade mais próximas (de carro, bicicleta, ou caminhada de 4 quilómetros), ou aqui se chegava depois de um dia preenchido pela rotina habitual. Agora, em tempo de confinamento, fazemos das nossas 12 casas o nosso espaço.

Foto da autora

A maioria dos vizinhos sai – separados, claro – para a caminhada diária a que, por enquanto, temos direito, na reserva natural que se encontra à saída das nossas casas. Alguns, poucos, continuam a sair para o trabalho e, quase todos, para fazer compras mais ou menos semanais de bens essenciais, sempre trazendo pacotes de leite, pão, farinha ou massa adicionais para aqueles de nós cujo abastecimento já está perto de acabar. A vida aqui, que sempre correu devagar, contrasta agora ainda mais com a rapidez das notícias, do aumento do número de contaminados pelo covid-19, das respostas a dar a alunos, tambem eles a correr atrás das muitas dúvidas levantadas pela mudança repentina nos seus estudos. E, neste contraste entre o tempo que, sendo lento, se apressa, a fronteira entre o terreno das nossas casas e a vila mais próxima materializou-se.

É uma fronteira de 4 kms, atravessada pela reserva, a cujo fim – o outro lado – deixámos de ter acesso. Lá encontram-se, ainda visíveis – embora em suspenso – para quem lá vai passando, a escola e os cuidadores habituais dos meus filhos, o parque infantil, o restaurante, o pub e, no passado, a loja que, por outros motivos, fechou ainda antes da pandemia aterrar aqui. E, do lado de cá, penso em como a noção de casa – “home”, em inglês – passou de ideia e processo, a um lugar físico. Os dois lados eram a minha casa, um contínuo espaço-temporal a que sentia pertencer. Agora, temporariamente, o lado de lá deixou de o ser. Agora, também temporariamente, dizem-me que esses 4 kms são marcados por sinais de polícia e fitas adesivas proibindo estacionar os carros que, de resto, não devem circular exceto por necessidade.

Pertenço, agora, temporariamente, a um lugar que é mais ou menos fixo. A anterior sensação de pertença a um imaginário de casa – “home” – que incluía, para além da vila e da cidade mais próximas, também Portugal, a minha origem, esfuma-se neste interregno, nesta espera a partir de um espaço físico que inclui, agora, a minha casa, e as restantes 11 casas que se estendem à esquerda e à direita da minha. É um espaço que o ângulo de visão da minha janela não me permite avistar por completo. Mas outros sentidos – como o som dos sacos de compras deixados à minha porta pelos vizinhos ou o movimento atento dos nossos passos até ao limite da “fronteira” – ganham agora mais importância na construção desta nova espacialidade quotidiana.

Trowse (Norwich), Inglaterra, 9 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.