O OLHAR ANTROPOLÓGICO PELA JANELA (IN)DISCRETA: desafios para quem investiga em campo

por Denise Machado Cardoso,  investigadora no Laboratório de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará (Brasil)


A pesquisa etnográfica é uma das principais características do fazer antropológico e tem sido aperfeiçoada pela troca de experiências e reflexões realizadas por quem vivencia a pesquisa de campo. Nesse contexto no qual o isolamento social e o confinamento voluntário se apresentam como uma das maneiras de evitar os impactos da pandemia da COVID 19, ou Corona Vírus, há que se pensar os limites impostos às saídas a campo para fins de estudos antropológicos.

No caso do Brasil, e em especial da região Amazônica, as recomendações de isolamento se tornaram um dos procedimentos éticos para quem estuda com as comunidades tradicionais como, por exemplo, comunidades de pescadores, extrativistas e quilombolas. Do mesmo modo, os estudos em áreas indígenas se apresentam como algo inviável nesses tempos onde a conservação de vidas humanas depende do maior grau de isolamento.

Além dos cuidados que são tomados nos momentos que antecipam a pesquisa de campo, há as discussões acerca dos procedimentos éticos na oportunidade da inserção e permanência junto às populações tradicionais e povos originários, e foram acrescentadas as exigências quanto à suspensão da própria viagem a campo.

Há que se pensar nas pesquisas em áreas urbanas, pois a Antropologia feita nas cidades é algo recorrente há décadas desde a origem desta ciência, e vem sendo ampliada em decorrência da própria complexidade das sociedades humanas.

Desde meados de março passei a trabalhar em casa devido à suspensão de atividades presenciais na Universidade Federal do Pará, instituição na qual atuo como docente. A partir da decisão colegiada pela interrupção de aulas, eventos acadêmicos e administrativos no molde presencial, a maneira como passaram a ser exercidas as funções de docente e pesquisadora foi, predominantemente, via internet. O local de meu trabalho passou a ser a sala de casa, onde coloquei uma mesa, um notebook e, ao lado, na estante os livros e documentos necessários para minhas funções.

Essa alteração me permitiu que durante esses dias eu passasse a olhar pela janela da frente de casa e perceber o que ocorria lá fora. Havia poucas pessoas nas ruas e todas elas eram homens. Essa constatação me fez questionar onde estariam e onde estão as mulheres. A observação para efeito de uma descrição dos movimentos e atividades em meio à pandemia se deu a partir das possibilidades de uma etnografia em situação de isolamento social, o que denomino como ”etnografia da janela”, ou seja, uma investigação de acordo com as limitações impostas no cenário de Corona Vírus. A partir do olhar de quem vive numa área urbana, mas que traz consigo traços marcantes da vida ribeirinha, como é o caso da cidade de Belém, capital do Estado do Pará, realizo o registro das práticas cotidianas desse município da região amazônica.

Baía do Guajará, Belém do Pará, Brasil (2019, foto da autora).

Ao observar pela janela reflito sobre a situação dos espaços delimitados culturalmente conforme o sexo biológico, o qual naturaliza proibições e prescrições conforme essa distribuição binária. Indico como importante questão para esse debate as condições de trabalho que as mulheres vivenciam, e as implicações de classe diante das recomendações que se mantenham em casa. Destaco, também, as implicações que envolvem a possibilidade de aumento da violência doméstica quando na convivência com o próprio agressor na casa onde, muitas vezes, coabitam com seus próprios algozes. A permanência de homens e mulheres de modo concomitante na mesma casa, sem a possibilidade de saídas que garantam a distensão dessa relação, acirra conflitos.

O desafio que se coloca indica que novos olhares devam ser aprendidos, inclusive o olhar para as pessoas pela janela, e é inegável o exercício do olhar distanciado para as próprias práticas etnográficas.

Belém do Pará (Amazônia, Brasil), 6 de abril de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.