ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (2) – Deixei de ouvir os aviões

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Hoje foi mais um dia igual aos outros. Já nem sei se é sábado, dia da semana, fim-de-semana… dias sempre iguais. Apesar de tudo, levantamos-nos cedo – 7h30.  Ontem anunciei – “amanhã, e uma vez que estará um dia de sol, vamos dar um passeio a pé”. Temos estado a acordar bem mais tarde do que seria o normal.  9h30, 10h00… mais cedo para quê? Para quem? Entrámos num certo vagar como aquele que experimentamos quando sabemos que nada temos ou podemos fazer. Um agridoce ‘fare niente’. Sábados, sem confinamento, são dias bem atarefados e logo desde muito cedo. Levar o André à escola de música para as aulas de piano, depois aula de natação. Entretanto, faço tempo com as compras no mercado e na mercearia. Ao Sábado compro sempre dois pães do Torrão – um pão de trigo malcozido que é uma delícia – na Riviera – uma charcutaria na Cova da Piedade que vende uns excelentes produtos alentejanos. Mas hoje não pode ser. Aliás, já não foi assim no Sábado passado. Despedi-me da senhora da charcutaria no dia 14 de Março com um ‘até ver’ que, na verdade, já anunciava um interregno mais longo do que o normal. Aliás, a proprietária disse-me na altura e numa formulação bem assertiva. “Decidam oficialmente ou não, para a semana encerro o estabelecimento… não se justifica estar aberto [menos clientes] e não vale a pena arriscar a saúde”. E assim fez.

Foto do autor

Volto ao dia de hoje. Saímos para dar um passeio a pé. São 8h00 e depois de comermos a fruta, lá vamos separados, ‘dois a dois’ (a fazer lembrar o título de um espectáculo-performance de minha cunhada, a Cláudia Dias’). Dois à frente e dois atrás, para cumprir as determinações de saúde pública. Encetamos uma ‘louca coreografia’, caminhando na esperança de encontrarmos ninguém ou escolhendo opções de percurso que evitem pessoas. Elsa leva um lenço que lhe envolve praticamente todo o rosto. A Catarina e o André, cada um com a sua sweat e capuz a tapar a cabeça. Elsa insiste recorrentemente para que cubram a cabeça face à recusa também insistente de Catarina e André. E lá ocorre a primeira zanga da manhã. Especialmente ao passarmos pelo viaduto do metro sobre o ‘canal’ da autoestrada A2, sente-se um vento frio. Mesmo por cima da autoestrada é estranho ver todas aquelas faixas de rodagem sem carros. Um ou outro lá passam. Ao fundo, o ‘garrafão da portagem’ praticamente vazio. Estranhos dias estes! Catarina e André não saíram de casa durante toda a semana. E Catarina satisfeita diz-me “gosto mesmo de estar em casa”, ao que o André com interpelação marota contrapõe – ‘vamos todos ficar gordos’. E regressamos pelo mesmo caminho. Avistámos duas pessoas a caminhar, mas não nos cruzámos com ninguém. Muito menos gente, sem dúvida.

23h45. Vou à janela e olho para o céu. Que silêncio… à minha esquerda o Cristo-Rei, à minha direita, ao fundo, o ‘Mar da Palha’, o Tejo que reflecte o Barreiro e hoje, ‘sem Lua’, o rio está mais escuro. Não oiço os aviões a passar! Já não há aviões a sobrevoar Almada naquele trajecto recorrente com a volta sobre a Costa da Caparica? Que diferença! Que silêncio! Que céu! Terá este confinamento virtudes? Trará boas coisas para o nosso mundo? Para a nossa vida? E se afinal…

Almada, 28 de março de 2020.
Foto: Humberto Martins, 2020



Citar este post
CRIA (2020, 7 Abril). ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (2) – Deixei de ouvir os aviões. CONFINARIA. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/n26u

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search