ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (1)

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Acabo de receber um email de uma colega… “Amor em tempo de coronavírus!”, glosando o título da obra de García Márquez. Conta-me ao longe o que é a sua nova realidade familiar. Amor, desespero, impaciência (e o seu reverso)… filhos, tarefas domésticas, aulas (à distância de um clique?!) Este é o primeiro dia do resto das nossas vidas! Subitamente, ou talvez não, a realidade parece que nos submerge num pesadelo. É isso que me diz Elsa, minha companheira, logo pela manhã. “Não achas que tudo isto é um pesadelo?” Ela habituada à micro e nanoescala das bactérias e fungos lá no Ricardo Jorge, no Instituto Nacional de Saúde, onde investiga há anos cianobactérias (aqueles microrganismos verdes que muito concentrados nas águas dos rios parecem algas). Nem sei bem o que dizer.

Hoje não viajei para Vila Real, como sempre faço todas as segundas-feiras, pelas 9h30 – na rede expressos. Já tinha feito o meu próprio plano de contingência e avisado os alunos na passada semana. Dissera-lhes, “penso que vamos estar afastados durante algum tempo.” O meu irmão mais novo, médico, já há cerca de um mês que me vinha alertando. “Não vás, evita os transportes coletivos… acredita que isto vai ser mau, muito mau, mesmo!” Ainda viajei na semana de 9 e 10 de março. Dei aulas, normalmente. Ou melhor, sem as minhas três alunas de Felgueiras e outras duas de Lousada – já impossibilitadas naquela altura de o fazer, pela UTAD. Aliás, nesses dias não se falava de outra coisa na universidade; de um aluno de desporto infetado; algo que, creio, não se veio a confirmar. Alunos de concelhos em risco – uma vez que a UTAD tem muitos alunos da zona do Baixo Tâmega.

Volto ao dia de hoje, 16 de março. Para o André (13 anos) e a Catarina (16 anos) parece estar a ser um dia normal de fim-de-semana. O André insiste em jogar ‘Risco’. Catarina acede; a aparente normalidade das suas vidas ainda é mantida porque eu próprio e a mãe os aconselhamos a ir jogar badminton para uma praceta perto de nossa casa. Não sem receio e dúvida. Voltei a falar com o meu irmão que continua insistentemente, e de uma forma muito incisiva, a dizer “não saias, nem tu nem eles; consegues fazer compras online?” pergunta-me ainda. Nossa mãe já há duas semanas que está de quarentena. Não a vemos. Deixamos as compras à porta de sua casa. Começamos a avisar outros familiares idosos. Almoçamos sopa de espinafres. E penso, uma vez que em casa a tarefa do cozinhar é ‘minha’, que será provavelmente o mais cansativo.  Faço já contas, sessenta ou mais dias vezes duas refeições… será que aguento? Será que aguentamos? Ao almoço acertamos ‘disciplina’ e falamos sobre ‘ter que conviver mais tempo uns com os outros’. Num tom de voz bem mais elevado acabo por chamar a atenção ao André. “André, o que te disse o pai? Sem birras, agora não!” O dia parece mais longo, de facto. Já controlamos as saídas. Não temos luvas nem máscaras (ou melhor, a Elsa tem duas para uma eventualidade limite). São três da tarde. Ainda vou a tempo de atualizar informação no SIDE – a plataforma de apoio ao ensino que a UTAD há muito disponibiliza para interações online entre docentes e alunos.

Almada, 16 de março 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search