ÁUDIO-CONFINAMENTOS: sons mundanos, canções e pandemia

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


No início do meu confinamento, publiquei na minha página de Facebook um pequeno texto que tinha como epígrafe uma frase retirada do livro The Tuning of the World de Murray Shafer: “as fábricas mataram as canções”. O motivo para a evocação dessa frase estava nas imagens que então corriam o mundo, via televisão e redes sociais, de vizinhos de bairro em Itália (inicialmente em Nápoles e depois em outras cidades) assomando às suas varandas para cantar coletivamente. O fenómeno estendeu-se depois a outros lugares, com canções e música a invadir as ruas a partir desses espaços liminares da domesticidade, as varandas, os terraços, os balcões. Quem conhece os argumentos de Shafer, sabe que cada uma daquelas palavras não pode ser interpretada em sentido literal. As fábricas não mataram as canções (ou a música em geral) se pensarmos em canções criadas, produzidas e difundidas através da indústria fonográfica, da rádio e das plataformas digitais. Escutamos (a maior parte das vezes) canções produzidas em “fábricas” de canções. As “canções”, na frase de Shafer, referem-se a um mundo (ainda) não esquizofónico ou pré-esquizofónico, quer dizer, um mundo onde não era possível  escutar sons emitidos a partir de outros lugares longínquos (rádio) ou gravados (cilindros de cera, vinil, cassetes, ficheiros digitais). Um mundo pré-industrial e sem motores de combustão. Em suma, a frase é uma metáfora das transformações brutais que a industrialização e a motorização (as “fábricas”) produziram na vida das cidades, nos efeitos que tiveram na qualidade das paisagens sonoras urbanas e, consequentemente, nos modos de estar, habitar e (con)viver.

Foi com alguma comoção, portanto, que assisti às imagens de pessoas, confinadas, cantando às varandas. A pandemia, por estranho que pareça, trazia-nos de volta as canções e estava a tornar, de forma inquietante, os nossos habitats mais silenciosos. No bairro onde vivo não escuto canções, mas testemunho e vou registando as transformações na paisagem sonora e no ambiente doméstico, em resultado da desaceleração imposta pela pandemia. Há cerca de uma semana decidi pedir a amigos e amigas que registassem sons da sua rotina doméstica e me enviassem esses sons. Especificamente pedi-lhes que me enviassem um registo de um gesto mundano que se tornou, nestes tempos da covid-19, uma das formas mais eficazes para evitar ficar contagiado: lavar as mãos. E que acompanhassem esse gesto com uma canção, à sua escolha. Com esses sons, gravados com um simples telemóvel, tenho vindo a realizar peças sonoras (2 estão já disponíveis, outras estão a ser preparadas). São esses sons mundanos e essas canções que vos convido a ouvir, nestes tempos de pandemia. Porque quem canta seus males espanta, afinado, ou menos afinado. Porque “os desafinados também têm coração”.

Alvalade (Lisboa), 1 de abril de 2020.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.