Horror ao vazio ou quando o património parou – um ensaio visual

por Mariana Silva, doutoranda em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (ISCTE-IUL, NOVA FCSH, CRIA) e antropóloga na Unidade de Turismo do Município de S. João da Madeira (Aveiro, Portugal)


Horror ao vazio (Horror Vacui) é o desejo de preencher todas as superfícies vazias, porque parece que a natureza tem horror ao vácuo.

Nos primeiros dias de março de 2020, encontrar uma data livre na agenda de visitas aos circuitos do património industrial de S. João da Madeira (onde é possível visitar museus, património arquitetónico e fábricas em laboração) era quase  como um exercício de acrobacia. Por exemplo, a centenária Viarco – Fábrica Portuguesa de Lápis, a única fábrica de lápis em funcionamento na Península Ibérica, entre 2012 e o início de 2020 recebeu mais de 70 mil visitantes no âmbito do programa turístico municipal. Em 2021, ainda nem um único visitante entrou pelas suas portas.

Este ensaio pretende partilhar registos fotográficos de lugares patrimoniais industriais que neste último ano ficaram marcados pelo vazio e o silêncio, com o fecho de museus e a paralisação do turismo, ou que até foram ocupados por novas funções ao serviço do combate à pandemia. Quer-se suscitar reflexões de como o mundo do património viveu este ano e colocou-se em interrogação os seus princípios e práticas.

Como nos dizem uma série de autores, é a criação de circuitos de exibição que permite que aquilo que é patrimonializado passe a viver a sua vida enquanto património. Os dispositivos de exibição poderão assumir formatos variados e o seu alcance de públicos diferenciado, mas também na era dos usos turísticos do património, o número de visitantes que pisavam o chão de museus, monumentos e sítios patrimonais era uma das principais, senão a principal bitola de sucesso.

Mas naquela segunda semana de março de 2020 tudo parou. Fecharam-se as portas de museus e postos de turismo. Desligaram-se luzes e os técnicos foram para casa. Instalou-se o vazio e o silêncio. E aquilo que assisti enquanto membro de uma equipa de gestão turística municipal é aquilo que chamo de horror ao vazio. De portas fechadas e sem visitantes parecia que já não existia trabalho. O horror de perder os números de visitantes e de, em consequência, a validade do trabalho das equipas técnicas esvair-se também. Assim nasceu a urgência de tentar preencher este novo vazio e criar novas plataformas de exibição e de visibilidade, agora corporificadas online. Mas o esvaziamento continuou, com a mobilização de parte das equipas para o reforço dos serviços de combate à pandemia. Nas fábricas, a ausência de visitantes fez com que os rostos do quotidiano ficassem reduzidos aos de sempre e emergisse a ânsia pelo regresso dos rostos novos que todos os dias os visitavam.

Mas nos interstícios de regresso, as luzes voltaram-se a ligar, apetrechou-se os equipamentos de muitos alertas e muito álcool gel, aprendeu-se a comunicar para além da barreira da máscara e dos acrílicos transparentes, ao mesmo tempo que se esvaziaram todos e quaisquer perigos de contaminação. Ir ao posto de turismo e levar connosco um panfleto sobre a cidade é algo que agora não é possível, por exemplo. O expositor está vazio. Mas nestes regressos lentos e interpolados, as filas começam-se a formar é na nave que já esmaltou banheiras, que depois dentro do fenómeno de reabilitar a urbe para um palco de eventos passou a receber espetáculos e a encher-se de pessoas em festa, e que agora acolhe o centro de vacinação local. No início aí entravam homens com o seu macacão azul, hoje chega quem veste a sua melhor roupa para se vacinar. Porque ir tomar a vacina também é uma festa!

[ clique nas imagens para aumentar ]


Este ensaio visual foi criado e produzido no âmbito do convite dirigido ao CRIA para participação no Dia Internacional do Monumentos e Sítios (DIMS), celebrado anualmente no dia 18 de abril. 

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (DIMS) foi criado pelo Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS) a 18 de Abril de 1982, e aprovado pela UNESCO no ano seguinte, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a diversidade e vulnerabilidade do património, bem como para a necessidade da sua proteção e valorização. Celebrando o património nacional, comemoramos também a solidariedade internacional em torno do conhecimento, da salvaguarda e da valorização do património em todo o mundo.

Em 2021, o tema proposto para o DIMS pelo ICOMOS Internacional é PASSADOS COMPLEXOS: FUTUROS DIVERSOS.

Conheça a programação e atividades do DIMS AQUI.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.