A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19 (parte 2)

por Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF),  Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA), Fernanda Sthel (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Letícia Crisóstomo (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Sulamita Ribeiro (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Igor Souza (Graduando em Ciências Sociais, UENF/CCH)


Nesta Parte 2, apresentamos em imagens e palavras os maneirismos e as invenções possíveis cotidianas, no sentido de De Certeau (2013, 2014), para nos referirmos aos momentos e lugares da cotidianidade de estudantes* em período de medidas restritivas – quarentena, distanciamento e isolamento social – que habitam cidades médias e pequenas situadas, no estado do Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

A casa foi, é e continuará a ser um local, podendo ele ser físico ou não, da imaginação, do construir-se e do lugar da memória e da lembrança como nos aponta Bachelard (1978). Em tempos de pandemia, no contexto da campanha #FiqueEmCasa, como já destacamos, a casa tornou-se o palco do encontro cotidiano familiar, local que os residentes realizam as inúmeras artes: do fazer, do cozinhar, do falar… Nela, os habitantes também se recolhem ao interior, sentimental ou estrutural, para preparar-se ou projetar-se em direção ao espaço público-virtual.

As imagens revelam momentos e lugares e suas cotidianidades. Encontraremos neste manuscrito imagético-textual, um olhar fixado no tempo, seja pela varanda, pela sala; que sobre a mesa deste cômodo estão produtos capilares, e a paisagem vista dentro de casa e, do quintal, a comida e o jardim…

Mas… e a janela? Ah! O olhar pela janela transforma-se nos passos imaginários que se movem pelas ruas – tão perto e tão longe – pois é por ela que caminhamos-olhando e observamos as atividades ordinárias do vizinho, do transeunte que vagueia pela rua e fazemos uma leitura do clima social da cidade.

Então, continuemos, continuemos nos maneirismos e invenções possíveis.


1.

Moro em um apartamento de primeiro andar, que de certa forma, traz a sensação de estar próximo à rua. A varanda, de frente para a rua de pedras, recebe os raios de sol da manhã até a hora do almoço. Essa pequena varanda sempre foi um espaço sem muita atenção na minha casa, era utilizada somente para estender roupas no varal de chão e o espaço onde meu gato gosta de olhar a rua, já que é o único contato que ele sempre teve com o exterior. Em tempos de quarentena, onde a casa é o nosso único espaço de convívio, a varanda se tornou muito mais importante que uma mera seca roupas. Além de ser o local onde posso ter proximidade com o exterior, me proporcionou um espaço onde pude praticar um novo hobby: cuidar de plantas. Fui criada com a minha mãe e avó que sempre tiveram plantas em casa, mas confesso que nunca imaginei que eu gostaria de cuidar das minhas próprias plantas. Agora, vivendo longe delas e confinada em casa, descobri esse gosto jamais vislumbrado. Este momento lúdico me faz ter conexão com a natureza, mesmo estando dentro de casa. A natureza, me acalenta, em meio ao aumento do uso da tecnologia que esta situação nos impôs. Grande parte das atividades cotidianas passou a ser realizada on-line, e o excesso de tecnologia, de fato nos fadiga. As plantas me trouxeram paz, mas ainda me sinto como o meu gato, olhando onde não posso estar.

Imagem e texto: Fernanda Sthel
Jardim Flamboyant, Campos dos Goytacazes-RJ, Junho de 2020


2.

A pandemia se instalou logo no início do ano, após as férias de verão. Sou uma pessoa hiperativa e ansiosa, logo, ficar ociosa é um desafio. No início, achava que seria algo que passaria rápido, que no mês seguinte retornaria à rotina. Sem sucesso. O primeiro mês se passou e eu precisava de algo que me motivasse a acordar diariamente com algum objetivo. Assim, comecei um cronograma capilar para hidratar meu cabelo, que logo, se configurou na decisão de iniciar a transição capilar. Alisava meu cabelo desde os 11 anos. Hoje, com 20, acumulo nove anos presa a procedimentos químicos, aos quais sou alérgica, para conquistar o tão sonhado cabelo liso. Crises alérgicas nunca foi problema para eu ter um cabelo padrão e aceito por todos. Desde criança cultivava o sonho de ter franjinha igual às outras meninas, e agora eu poderia ter. Contudo, isso trouxe danos. Meu cabelo ficou seco, quebradiço, fraco. Nem estando liso, ele era um cabelo socialmente aceito. Assim, tirei essa quarentena para encarar o desafio de reconstruir meu cabelo e aceitá-lo da forma que ele é. Estou indo para o terceiro mês de cronograma capilar e o quarto sem colocar nenhuma química no cabelo. Falta muito para alcançar o ideal, mas com tão pouco tempo, as melhoras são perceptíveis o suficiente para acordar todos os dias com disposição de continuar.

Letícia Crisóstomo
Parque Leopoldina, Campos dos Goytacazes- RJ, de julho de 2020


3.

Somos seis, eu, meus pais, meu irmão, sua esposa e filho. Entre crises, o diálogo positivo envolvendo lembranças de infância ajuda a amenizar a tensão provocada pelo medo da “Covid” e renovar a esperança de dias melhores, neste tempo pandêmico. A cozinha tornou-se o principal ponto de reunião familiar, onde todos contribuem na hora de fazer novas receitas. As histórias; as risadas; as músicas tocadas no violão pelo meu pai, aos domingos; as conversas diárias, no quarto dos meus pais; o conforto no abraço, no beijo de meus pais e de meu irmão, tudo isso se tornou algo tão costumeiro, que nem percebi sua importância. Pequenos gestos, antes já valorizados, tornaram-se tudo. Em dias de maior ânimo, vou à varanda observar minha mãe deitada na rede a ler ou a fazer caça-palavras. Creio que este é o seu lugar preferido na casa, pois da rede, ela pode contemplar a natureza que tanto ama. Sento-me no chão, perto dela, acaricio meus gatos, observo a paisagem, enquanto espero meu pai para receber meu beijo na testa e depois disputarmos o caça palavras com a minha mãe. Meu sobrinho sempre se gaba de ser o melhor do mundo nesse jogo. Meu pai sempre perde. Neste cotidiano, nada ainda se desfez, fecho os olhos e agradeço.

Imagem e texto: Sulamita Ribeiro
Armação dos Búzios/ bairro José Gonçalves, julho 2020


4. 

O maior desafio ao longo dessa quarentena foi, enfim perceber, assim como já cantarolava Toquinho em sua “Aquarela”, que sempre vivemos em meio a incertezas. Hoje um dos maiores desafios desse período são definitivamente, as incertezas do amanhã. A crença da estabilidade foi substituída então pela necessidade de reformulações  da vida e de projetos. Com todos os percalços, a quarentena me fez perceber o que para muitos soaria como piegas: a beleza está nas coisas simples. A natureza, em toda sua sabedoria, não toma conhecimento das agruras criadas e alimentadas pelo bicho homem. Dentro e fora da família, no mundo, pessoas partiram vítimas do vírus. É impossível não se solidarizar e ao mesmo tempo temer pelos que ficam. A distância daqueles que amamos causa apreensão, mas a certeza, nem tão certa, de um reencontro suaviza a preocupação. Como uma boa família tradicional de mineiros, uma ligação especial entre nós, sempre foi a cozinha e tudo a ela relacionado: receitas, erros e acertos. A comida, não ela em si, mas tudo o que ela possibilita por meio da interação, tudo o que ela traduz num momento de afeto, de pura recordação afetiva. De tudo o que é caro, a minha cura tem vindo da mais pura simplicidade: momentos de refúgio em casa, em torno de uma boa comida, no jardim recém-reparado. Coisas mais belas com que convivo há uns bons anos, mas que nunca havia parado para prestar atenção.

Imagem e texto: Igor Souza
Grussaí, São João da Barra (RJ), agosto de 2020


5. 

Pelas frestas da cidade eu vejo seus bairros, suas ruas, as práticas socioespaciais, sua gente, na pandemia-pandemônio.

Fotos e texto: Teresa Peixoto Faria
Campos dos Goytacazes, abril-agosto 2020
Montagem: Aline Ferreira de Azevedo Cruz


Tratamento das imagens: Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista)

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. 1. Artes do fazer. 22ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

DE CERTEAU, Michel; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: 2. Morar, cozinhar. 12ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

* Alunas e aluno que se inscreveram, no 1º semestre de 2020, na disciplina Tópicos Especiais em Geografia: Introdução à Análise Urbana, do curso de Bacharelado em Ciências Sociais, do Centro de Ciências do Homem, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, que aceitaram o convite para participar da composição deste trabalho coletivo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.