Estado de emergência e estado de calma(idade)

por Magda Ferreira


A minha história, igual a tantas outras, trouxe-me ao ser par* (e nunca mais ímpar), por ser marginal e divergente.

No presente recente, no seu ciclo secular, a Mãe Natureza trouxe um novo e forte vírus, que parou o mundo. Eu observei o que penso que todos sentiram, o nunca pode acontecer sem aviso. E a todos traz algo para melhorarmos, para recuperarmos o nosso ritmo natural, sentindo-nos tão vulneráveis ao mesmo tempo.

Somos o que pensamos? Apenas ser. Nunca me senti tão marginal e ao mesmo tempo tão livre, pois como utilizadora de drogas, éramos os únicos na rua, quebrando todas as recomendações e imposições.

Casal Ventoso, foto de juliofc @Olhares.com

Nunca me senti tão perseguida, tão observada, tão empurrada daqui para ali, pelas chamadas forças de autoridade, que com trejeitos de medo, nos mandavam mudar de lugar, circular, pois casa muitos não a têm.

Antigamente, antes de 2001 (início da descriminalização do uso de drogas), havia uma hierarquia familiar, tal “Bairro do Amor” (Jorge Palma). Até quem usava drogas se entreajudava. Mas agora, mundo ao contrário, nunca vi tanto quem usa não se conseguir desenrascar. O pedinte não tinha a quem pedir, o ladrão não tinha a quem roubar, a trabalhadora do sexo ficou sem os clientes, mundo ao contrário.

Também quem mexe, remexe, baralha, volta a atirar as cartas. Mais tolerância nos abrigos para pessoas sem casa. Em oposição, sacudidos quem anda na rua em vão… almas penadas, ouvi eu algum polícia dizer ao fim de uma intervenção numa volátil situação entre consumidores, desorientados com a falta de dinheiro e substância. Daquelas voláteis situações que se multiplicam à frente dos meus olhos. E sinto que se roça a loucura… cada vez mais por haver cada vez menos…

Os transportes públicos e as portas abertas.

Uma experiência única.

Ao chegar à paragem do 712, em 15 minutos viajo no tempo, dos Anjos até ao cheiro do antigo Casal Ventoso. Serafina, Bela-Flor, Campolide, ao mato, às encostas. Do Aqueduto das Águas Livres, a olhar, lembro-me que já passaram muitos anos… mais de 20. Lembro-me, e no silêncio da Lisboa deserta, os meus pensamentos tornam-se vozes. Continuo atrás da pomba branca que nada tem de igual. Até que me apercebo, ao procurar mais do mesmo, é surreal. Volto a sentir-me uma criminal.

Do caos vem a ordem.

Pós pandemias, há sempre mudanças, tal como a peste negra, distanciamento social, quarentena, valas comuns para os corpos mortos. A gripe espanhola.

Reinventarmo-nos é a janela de oportunidade que, a meu ver, esta pandemia que vivo traz a todos nós.

Saúde em resposta rápida e coletiva; Nova Deli, a cidade mais poluída do mundo voltou a ter céu azul.

Fui forçada a ver, ouvir, sentir, cheirar, reparar na minha própria realidade. Nos meus passeios rebeldes, cortando o silêncio com os meus passos pela Lisboa fantasma, só minha, ouvi o vento, os pássaros, ouvi os meus pensamentos muito mais nitidamente entre silêncios. Por vezes reflexão, outras divagação…

Lisboa, ano de 2020.


Este artigo integra uma série de artigos elaborados no âmbito da iniciativa Lisboa Sem Sida, com o objetivo de dar visibilidade, no espaço público, às pessoas mais afetadas pela infeção VIH, as hepatites virais e a tuberculose e contribuir para a construção de uma narrativa coletiva mais atual.

 


7 comentários em “Estado de emergência e estado de calma(idade)”

  1. Magda querida, chorei… chorei por descreveres uma realidade tao presente e tao real, que ninguém sabe, ninguém vê, ninguem liga, muitas vezes me perguntei e em longas conversas no meu restaurante, eu dizia ” fala se tanto de morte, tanto medo do contagio, em duas pandemias nunca ouvi uma única vez falar que morreu um sem abrigo, que morreu um drogado ou uma pristituta,quando tidos estavam em casa desesperados e fartos de estar protegidos, onde estaria esta mini sociedade que ninguém ve e ninguém se lembra… um bjinho grande, e obrigado por esta reflexão dura mas verdadeira, e que muitos tenham sobrevivido para contar a sua história
    Isabel Morgado ( Isa a preta )
    P.S vou partilhar para que o mundo se lembre que existe esta mini sociadade

    1. Isa,minha irmã : ) Quanto tempo. Obrigada tbem pelas tuas palavras. Por te identificares, entenderes. Porque sentes. Sentimos todos. E ficámos mt mais expostos. Como se fôssemos algo a ser despojado.
      + Humanidade = + Imunidade

  2. Muito bem retratada esta realidade. Palavras sábias , parabéns pelo teu dom de tocares nos nossos corações 💞

  3. Querida Magda

    Sei que vais sentir verdade nas palavras que te escrevo, pois conheces-me bem.
    Sabes que estive isolada durante meses e que agora de volta à nossa querida Lisboa vivo a pandemia em moldes diferentes daqueles que descreves pois estou felizmente sem cosumir.

    Vezes sem conta pensei e senti compaixão por todos os que estavam a consumir quando o vírus abalou a vida de todos. Isolada, protegida, foram tantas as vezes que pensei como estariam a sobreviver… o que descreves foi aquilo que sempre soube estar a acontecer e respirei melhor por não estar a passar pelo mesmo, pois foi em Fevereiro que parei de usar.

    Agora em Janeiro, tenho a certeza que pouco ou nada terá mudado pois no mundo do desespero da dependência muito pouco muda para além da esquina e do sentimento que se deixa de sentir por aqueles breves instantes em que a droga nos permite.

    Sei também que os apoios ficaram mais escassos, mas que felizmente aqueles que se quiserem tratar já o podem fazer.

    A grande diferença Magda, daquilo que descreves, é que normalmente todos nós somos vistos na correria dos consumos mas não prestamos atenção. Agora como descreves estás mais atenta a ti e reparas como reparam em ti.
    Continua a estar atenta a ti, vive o melhor que te for possível, não te deixes tratar mal e não te mal trates .
    Tem cuidado contigo amiga!
    Gosto muito de ti!
    Obrigada por seres tão especial!!

    1. Obrigada Catarina. Também és muito especial para mim. És uma guerreira e uma pessoa cheia de amor.
      Cuida-te, sempre tbem.
      Multiplica a tua coragem!

Responder a Luis Mendao Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.