PLAYTIME 2020

por Mariana Camacho, gestora de ciência (CRIA), cantora.


1.
28 de fevereiro de 2020

img. da autora

Este foi o post que escrevi no Facebook da última vez que fui à Madeira, no universo pré-confinamento. Estávamos a 27 de fevereiro de 2020 e o Covid ainda era uma piada.

2.
15 de julho de 2020

Este foi o post que escrevi no Facebook da primeira vez que fui à Madeira, no universo pós-confinamento, mais ou menos 5 meses depois. Para ser mais precisa, só voltei à ilha a 18 de julho, mas 72h antes, por imposição do Governo Regional, fui fazer o teste à Faculdade de Medicina da Universidade Nova de Lisboa.

Na porta principal, um segurança controla as marcações, chamando as pessoas pelo primeiro e último nome, com voz sonante e animada. Faz comentários personalizados, do género “Chegou atrasado uma hora, amigo…”, “Claro que estão todos presentes, são uma família, vêm todos juntos!” ou “É isso mesmo! Assim é que é”, este dirigido ao rapaz que vem a correr ao longe, de braço no ar, gritando “PRESENTE!”.

O pequeno grupo de nomeados a que pertenço alinha-se em fila indiana junto à porta e segue ordeiramente para dentro do edifício. O segurança faz sinal para que nos coloquemos, um a um, no pequeno quadrado desenhado no chão, com fita-cola. É a minha vez. Uma maquinaria a 3 ou 4 metros de distância mede-me a temperatura, enquanto me vejo azul e disforme num ecrã. O segurança vai encaminhando com os braços – quadrado à esquerda, fila indiana à direita – e exclamando “Muito bem!”. Fá-lo ritmicamente, repete-o sempre da mesma maneira, parece uma caixa de loops. Estou em crer que, na sua longa carreira de segurança, tem pela primeira vez uma tarefa que o entusiasma.

Seguimos para o corredor, alinhados à esquerda, meia volta, alinhados à direita. Sinto que estamos dentro de um Nokia 3310 e que andam a jogar Snake connosco. Nós somos a cobra. Há uma série de cadeirões encostados à parede. Cadeirão sim, cadeirão não, podemo-nos sentar. Cadeirão não, cadeirão sim, um papel colado com sinal de proibido.

Ao fundo do corredor, uma rapariga aguarda com produtos de limpeza nas mãos enluvadas. Sempre que alguém se levanta de um cadeirão, ela apressa-se a desinfetar o cabedal do móvel e volta a correr para a sua marcação. O mesmo se aplica à cadeira onde nos devemos sentar para fazer check-in e ao acrílico que nos separa do rapaz que nos recebe. O registo é um processo que leva 2 minutos, se tanto. Da minha parte, preferia ficar de pé, mas fazem questão que usemos a cadeira, não sei se para nosso conforto, se para manter a rapariga ocupada. Confirmada a identidade, meia volta, circular pelo centro do corredor, meia volta, aguardar na fila à esquerda. Só não digo que estamos todos de máscara porque é um dado adquirido.

A espera e o silêncio neste lugar assético assustam-me ligeiramente, sobretudo se pensar que somos um bando de madeirenses a ser testados para podermos entrar no nosso território… É esquisito. Percebo, mas é esquisito. De resto, a coreografia protocolar diverte-me bastante.

Se Jacques Tati estivesse cá para ver…

3.
26 de julho de 2020

Não houve posts no Facebook na noite em que regressei a Lisboa, mas o episódio da viagem merece ser contado.

Estou num avião da Easyjet, mais ou menos a meio do percurso, e sou surpreendida por uma hospedeira que pergunta “Já preencheram o formulário?”. Pensamento óbvio: “Qual formulário?”, mas antes que consiga dizer alguma coisa, vira-se de costas para falar com uma passageira 4 cadeiras à direita, vai-se embora e nunca mais volta.

Os dois passageiros ao meu lado receberam formulário e eu não. O mais novo diz “vamos lá despachar isto” e despacha; o mais velho sente-se constrangido porque o formulário está em inglês e ele não domina a língua. A mulher dele revolta-se:

– Então eu agora sou obrigada a saber inglês para responder a isto??

O mais novo oferece-se para ajudar no preenchimento e acrescenta:

– À luz do RGPD, tudo o que eles pedem aqui, eu dou apenas se quiser. Não sou obrigado. E se nos recusarmos? Do ponto de vista do Direito, a Easyjet tem todos estes dados…

(Será jurista?)

Eu continuo sem formulário, mas se a hospedeira desapareceu e não voltou, é porque não deve ser relevante. Dou uma espreitadela no papel. Meia dúzia de dados pessoais e o logo da DGS. O passageiro à minha frente chama um comissário de bordo para pedir esclarecimento.

– É um formulário de preenchimento obrigatório. São ordens superiores da DGS. Devia ter preenchido previamente, antes do embarque. Se não preencheu, então vai ter de se entender com as autoridades no aeroporto. Não pode sair do aeroporto sem entregar antes o formulário… Pois, não sei… Não tenho nada que ver com isso, sou apenas tripulante da aeronave. É obrigatório, os passageiros deviam informar-se antes. Deviam ter lido o e-mail que enviámos. Se não se informaram, logo terão de arcar com as consequências perante as autoridades. –  repreende o comissário mau.

Poucos minutos depois, pelo intercomunicador, o comissário bom explica:

Voltámos à escola e levámos falta de material coletiva. É isso que se está a passar.

O avião aterra e permanecemos sentados. Por causa do vírus, a saída agora é feita por ordem, da frente, para trás (graças a deus… sempre detestei o hábito de se levantar toda a gente ao mesmo tempo, como se pudessem sair aos molhos).  Para além disso, mais de metade dos passageiros aguardam o formulário. As hospedeiras começam a distribuí-los como professoras apressadas no último dia de exames.

– Pois… Preencheu online, mas se não imprimiu vai ter de responder novamente. Temos de entregar em papel. – diz uma ao senhor da fila 16.

– É uma vergonha, nunca mais vamos sair daqui! – desabafa o passageiro à minha frente.

– Vergonha é os passageiros não terem preenchido o formulário antes do embarque! – repreende novamente o comissário mau.

– A culpa não é vossa… A DGS é que não sabe o que está a fazer! Pelo papel, vê-se mesmo que andam a patinar! – defende-se o homem.

– Olhe, desculpe, se faz favor, pode dizer-me o seu nome? – pergunta o jovem solícito do meu lado ao comissário mau.

– Rodrigo.

– Rodrigo, quê?

– Basta Rodrigo.

– É comissário de bordo, certo?

– Certo.

– É quanto basta. Muito obrigado.

(Será jurista?)

Nesse momento, pelo intercomunicador, o comissário bom informa:

– Caros passageiros, se ainda não preencheram o formulário porque não têm caneta, por favor levantem o braço. Passaremos com canetas para emprestar. Obrigado.

Aceno contente. Olho para trás e percebo que somos muitos – mesmo muitos – de braço no ar.  Das quatro turmas do dia, devemos ser de longe a pior. Preencho o papel, entrego-o juntamente com a caneta e saio da aeronave. Estou livre.

Nota à margem

A minha prima Beatriz voou do Funchal à mesma hora que eu, 21h30, num avião da TAP. Ofereceu-me boleia do aeroporto para casa, já que chegaríamos a Lisboa ao mesmo tempo. Ligou-me a dizer que já estava despachada e que podia esperar por mim na rua.

– É melhor não esperares por mim. Vai, que está tudo preso no avião à espera de preencher um formulário. Ninguém sai sem entregar o formulário…

– Formulário, qual formulário?

Lisboa, 4 de agosto de 2020


Um comentário em “PLAYTIME 2020”

  1. Tanta verdade. Isso sim, é necessário.

    Pandemia=Uma pandemia (do grego πανδήμιος «de todo o povo») é uma epidemia de doença infecciosa que se espalha entre a população localizada numa grande região geográfica como, por exemplo, todo o planeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.