Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia.

fotos do autor

Nas fotos acima, tiradas por mim, máscaras artesanais estão ao sol para secar, depois de lavadas para serem doadas a um asilo. Elas foram confeccionadas pelo meu pai, com tecidos e elásticos reaproveitados do material disponível em casa. Desde a modelagem, a partir de exemplos retirados da Web, até a definição das melhores formas de acabamento – passando pelo corte e pela escolha das cores e padronagem dos tecidos, bem como inúmeros testes com seus erros e acertos – a confecção destas máscaras implicaram uma relação com o tempo, com matérias primas e ferramentas, assim como com práticas manuais e um saber passado (quem ainda usa máquina de costura em casa?) que parecem não combinar com o “mundo moderno” mas, ao que parece, são um dos efeitos da quarentena. A propósito, um dos assuntos mais pesquisados no Google nestes ú ltimos tempos foi: “como fazer pão”. O fato de as máscaras terem sido doadas (ou o pão partilhado, mesmo que virtualmente nas redes sociais) sugerem que novas formas de sociabilidade podem estar sendo experimentadas, para além daquelas mediadas pelas tecnologias de comunicação, novas formas de se relacionar consigo mesmo e com outras pessoas condicionadas por uma certa valorização do “saber fazer”, do “fazer com as próprias mãos” e do compartilhar. Temas que, acredito, valem uma investigação antropológica.

Rio de Janeiro, 27 de julho 2020.


Um comentário em “Máscaras”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.