Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação.

foto do autor

Esta proposta de conversão, enquanto causa modeladora dos comportamentos atuais, está implícita no momento presente de confinamento, sendo este é o momento de privação de contacto presencial com outros corpos. Mas, a sua função de transição, é mais notória quando verbalizada como uma atividade projetada no tempo. Uma transformação programada no eventual futuro que se antecipa, o tempo de regresso aos quotidianos, época de idílicos objetivos que, por ora, solicita paciência e observância, para se materializar, então, como recompensa nessa nova qualidade, num tempo endémico, em que os novos gestos se tornaram parte dos hábitos comuns.

Este carácter de arco, que se inicia com uma separação, tem um período de liminaridade e conclui com uma incorporação, evoca o conceito de rito de passagem. Sinteticamente, o rito de passagem é uma iniciação que assinala o acesso a uma comunidade. É uma categoria de ritual, referente a um ato social de outorga, de concessão de um direito ou atribuição social. Um limiar que confere aos indivíduos uma identidade que, precedentemente, não os constituía. É na qualidade de reprodutibilidade social, no facto de serem frequentemente geracionais, que os ritos de passagem tem uma das características significante da sua missão cultural. Os ritos de passagem instituem-se, nas sociedades humanas, como prática quase ubíqua e universal.

O grau de sofisticação do rito, como para quase todos os atos sociais, varia conforme os contextos humanos onde se manifestam, e a expressão rito de passagem pode parecer tão abrangente, na sua elasticidade temporal e conteúdo funcional, a ponto a ser qualificável como insignificante, na sua aplicabilidade como modelo interpretativo de fenómenos sociais.

Salvaguardada a compreensão de que qualquer rito é um acontecimento específico de uma comunidade, um processo partilhado que reproduz a sua função social, com as suas características e implicações próprias, os ritos de passagem são analogias exequíveis de um ato de transfiguração. Na referência ao potencial de transformação organizacional, individual e/ou social, através desta equivalência entre confinamento e rito, conseguimos inteligir uma gramática cultural. Recorre a símbolos e narrativas reconhecíveis para assimilar no seu vocabulário acontecimentos de uma ordem caótica.

A desordem contrasta, simetricamente, com a característica fundamental do ritual, composto de ordem. No ritual a sequencialidade processual é a metonímia da sua previsibilidade. O desempenho de um procedimento determinado produz a consequência. A ameaça viral é o contrário é uma possível extinção aleatória e é assim uma externalidade do sistema cultural. Os fenómenos que observamos na incorporação social da pandemia, são a sua interpretação pela matriz cultural.

A designação do confinamento como um rito de passagem coletivo com potencial de transformação individual e global, é um momento iniciático que, na sua inclusividade, nos recorda a nossa humanidade comum, com nula possibilidade de imunidade mesmo se mediada por cálculos probabilísticos de risco.

Monte Real, 26 de junho 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.