EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Antropólogo, me acostumei a treinar o olhar para as relações entre pessoas, e nas quais estou implicado. Gostava, por exemplo, de passear pelo meu bairro, e a promover uma espécie de jogo íntimo: encarava o outro, mesmo se desconhecido, com o olhar, e a depender das suas reações, seguia nessa provocação ou recuava para despertar, nele, impressão de aquilo ter sido mera ilusão. E, assim, buscava cotidianamente afiar minha percepção, não apenas deles, outrem, mas também do eu, e me servindo de como eles respondiam a mim. Isolado, isso mudou; me peguei sozinho, contemplador e observado.

Em certo ponto do confinamento, notei um aumento nas imagens produzidas, por mim, sobre si mesmo. Uma adaptação do meu jogo, mas sob novas regras, que a situação agora exige. Primeiro, as atividades online me impõem encarar a própria figura; e quando gravo, solitário, os novos vídeos, costumo, depois, espelhar horizontalmente o arquivo resultado: fico por demais desconfortável ao mirar aquela minha projeção, que, antes da manobra corretiva, inverte os meus traços. Na tela, vislumbro alguém de quem não gosto; porém, ele contém, vitualmente, seu oposto, mais tolerável. Com as academias fechadas, passei a fazer exercícios em casa, e um dia filmei, com o telefone celular em posição fixa, os movimentos: na dinâmica corporal, encontrei, ali, contornos desconhecidos. Criei hábito desses registros e tenho, desde então, sido apresentado ao corpo, enxergado, esse, de uma perspectiva nunca experimentadas antes. Sei, agora, dos meus braços e pernas, da barriga e das costas. Às sextas-feiras ou aos sábados, simulo festas na sala de casa – nada divertidas. Tomo banho, me “arrumo”, abro vinho e ouço música na sacada ou sentado no sofá. Se insisto, reparei, é muito mais por me perceber “bem vestido”; e pouco pela fruição. Descobri bons ângulos capazes de enquadrar o conjunto todo. Programo o timer da câmera, compartilho algumas selfies na Internet e logo vem a resposta: “tá bonito, hein?”. Que bom! Que bom, ainda existir para além de mim.

Aos sábados ou domingos, às vezes, o mesmo corpo que, na musculatura expandida pela atividade física, pulsa renovado no mundo, sofre o efeito da ressaca de vinho. Em certos dias, apenas fisicamente desconfortável; já em outros, os abalos são, também, psicológicos. É terrível sentir a perda do controle cultivado na percepção de si, desestabilizada pelo álcool. Agente externo, impactante no organismo, como os vírus o são. É isso! Daí, o pânico, pavor. Entendi! Me entendi!

Devo, então, parar de beber? Mas e as vacinas? Não conteriam a dosagem minuciosa da doença que pretendem prevenir? O quanto de estranhar-me, “sozinho”, dá conhecimento, traz imunidade, a partir das minhas inovações? Sigo, aqui, dentro do apartamento, mas fora mim, realizando jogos e experiências.

São Paulo, 5 de julho  2020.  


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.