Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade”

por Cristiana Vale Pires,  PhD em Antropologia, investigadora no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


A ameaça do vírus persiste, mas não é suficiente para impedir a ocupação de espaço público por aqueles/as que têm vivido à margem da branquitude capitalista.

Rascunho do caderno de ilustrações de Cristiana Vale Pires

Ainda não há evidências que atestem a eficácia das máscaras na prevenção da infeção por Sars-Cov-2, mas já sabemos que elas não calam a revolta nem atenuam o trauma intergeracional que renasce sempre que uma pessoa racializada é brutalizada ou assassinada pela polícia.

Sabemos que o vírus não distingue quem infeta com base na sua cor, classe, idade, género, localidade. Mas é evidente que a violência (incluindo a violência institucional) é racista e afeta de forma desproporcional pessoas que são racializadas à nascença pela sua cor de pele, pertença (ou atribuição) étnica, religião ou local de nascimento.

O distanciamento social não é uma experiência inédita com a qual coabitamos nesta “nova normalidade” para minimizar o ritmo de propagação do vírus. Pelo contrário, ele é sistémico e está na génese opressiva e escravocrata das nossas sociedades e seus dispositivos institucionais incluindo os de segurança pública.

A vigilância e controlo sobre os corpos, e o isolamento de determinadas zonas das cidades não são necessidades excecionais impostas para conter o vírus. São práticas recorrentes e muito eficazes na segregação e controlo dos corpos racializados, confinando-os em periferias constantemente física e simbolicamente degradadas e marginalizadas.

“Em Portugal não é como na América!” Pois não. Em Portugal ainda se nega o inegável.

Porto, 16 de junho 2020.


2 comentários em “Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade””

  1. Com todo o respeito p lo seu trabalho, vai permitir-me deixar um comentário sem intenção alguma de ofensa.

    Li e re-li e digo que não entendi. Na minha perspectiva há uma ausência de base científica, será o artigo um reflexão crítica ? Por outro lado, o que pretende afirmar há uma relação entre a o vírus COVID e o racismo ?
    O que me deixa um pouco apreensiva cara professora e com todo o respeito pelo seu trabalho, talvez eu não tenha entendido bem mas afirmar que o uso de máscara num período ativo de infeção por COVID não há base científica para proteção, parece-me um pouco leviano … se for ao hospital, como profissional de saúde, garanto-lhe será adequado solicitar uma máscara ! Acredite que não é muito agradável mas pode salvar a sua e a vida dos que estão há sua volta…
    Como antropóloga eu questiono-me se as manifestações humanas se devem ao fato de as pessoas estarem em isolamento físico , não social, o que os leva a terem comportamentos desviastes das normas ?
    Deixo para refletirmos juntas !
    Obrigada

  2. O que é isto? Desabafos “académicos”? Conversa de café? Posts pseudo-cientificos. Argumentos de “autoridade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.