Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19


foto da autora

Os que possuem a humanidade a latejar em si
buscam mantê-la

A visão desse todo é dolorosa
Começo a estreitar o campo de visão
Aguço os sentidos para cada vez mais perto
O que me cerca

Do lado de cá dos portões

Cantoria dos vizinhos a avisar que o final da semana chegou
e que alguns ainda estão em casa

Tosse matinal e vespertina da vizinha, que
paradoxalmente, deixa-nos tranquilos,
trata-se de sintoma antigo

Há riso e choro – muito.
Choro de criança(s)
Cachorro que late quando criança chora
e adulto grita

Pai a plenos pulmões
Nenhuma paciência
com as crianças
com a companheira
e suspeito que tampouco consigo

Vizinhos discutem – pelas janelas-
a respeito do barulho feito pelas crianças
Sempre as crianças
Nunca a altura das músicas no karaoke –
neste caso, parece haver verdadeira disputa
entre as famílias quarentenadas

Grama, arbustos e flores crescem livremente
Garagem ainda cheia de carros

Comunicado alerta para que os moradores não se reúnam
Uso de máscara é obrigatório
Há  casos próximos

Do lado de cá da janela 

Já  não há TV ligada
onde é possível acompanhar a contagem
crescente e ininterrupta de pessoas-números

Há livros, séries, músicas
Terra, vasos, sementes

Duas pessoas em busca do equilíbrio no conviver

Aqui não há crianças,
mas há choro
medo, dor

Dor física de um corpo que se refaz
Refazimento pós-operatório do companheiro
Após internação,
saída para quarentena

Lidar com nossas dores não é tarefa simples,
com a dor do outro é tarefa desafiadora

Dor emocional que torna-se sintoma
Falta o ar
O médico pela chamada de vídeo
É preciso medir a taxa de oxigênio no sangue
Há um daqueles relógios que fazem isso em  nossa casa

Alívio

Há luto pela amiga que se foi

Há amor

O gato ronrona pertinho
enquanto as duas gatas mais novas,
irmãs inseparáveis, correm pelo apartamento
Há vida. Há alegria
Ainda bem

Chegaram as compras
Lavar tudo – tudo
Desinfetar
Álcool, água, sabão
Exaustão

Companheirismo há também
Conviver é uma dança
Compartilhar espaços
Se conhecer e reconhecer no outro
Uma dança que pede e ensina movimentos novos todos os dias

Acordar com o cheiro do café passado com canela
Celebrar o germinar da semente
Atender ao chamado do interfone, que toca agora enquanto escrevo,
chegou a comida
Caixa de areia limpa
Os três gatos aninham-se entre nós

Procrastinação, pausa, meditação, ansiedade, volta a respirar

Ainda estamos em isolamento social. Lá fora, eu já não sei.

Rio de Janeiro, 14 de junho 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.