A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A lama em Paracatu de Baixo. 12 de outubro de 2018. Arquivo pessoal da autora

Proponho uma reflexão sobre mundos e fins, a partir de minha pesquisa com as atingidas e os atingidos desse desastre. É pela atenção às experiências abruptas de ruptura do cotidiano e imposição do extraordinário que procuro aproximar a lama tóxica à pandemia viral. Esse exercício requer cuidado, tendo em vista as grandes diferenças entre os acontecimentos, suas extensões e escalas. Assim, eu inicio este ensaio apresentando aspectos de minha etnografia com a comunidade atingida de Paracatu de Baixo para, em seguida, desenhar relações e possíveis conexões com os efeitos do modelo de produção e extração que ameaça a vida em suas várias manifestações.

A comunidade de Paracatu de Baixo tem cerca de trezentos habitantes e está situada no distrito de Monsenhor Horta, em Mariana. Os moradores foram deslocados compulsoriamente da zona rural para a zona urbana, devido à destruição causada pela lama de rejeitos de minério de ferro da Samarco S.A., propriedade de duas das maiores mineradoras da atualidade a Vale S.A e a BHP Billiton Ltda. Com o rompimento da barragem, em 05 de novembro de 2015, os moradores foram abrigados no Centro de Convenções Municipal e no Estádio Municipal, depois encaminhados para hotéis e, finalmente, para casas espalhadas por diversos bairros da cidade, onde vivem até hoje. As residências foram alugadas pela Fundação Renova, organização fundada pelas mineradoras para “reparar” o desastre. O projeto de reparação se completa com o reassentamento da comunidade em uma área rural, cujo prazo atual é fevereiro de 2021.

A lama tóxica devastou a terra, as roças e as hortas; levou consigo casas, carros, vidas e modos de viver. Os moradores dessa comunidade conseguiram fugir do tsunami despejado pela barragem com capacidade para 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos, mas dezenove pessoas morreram afogadas na lama: catorze funcionários de uma empresa terceirizada da Samarco, cinco moradores da comunidade de Bento Rodrigues, a mais próxima à barragem. “Tudo mudou”, explicaram-me repetidas vezes os moradores da comunidade em meu trabalho de campo. Na cidade, as (os) atingidas (os) não têm grandes terrenos, não acessam as mesmas relações de amizade e vizinhança, considerando as distâncias entre as casas alugadas pela Renova. Por outro lado, emergem relações com técnicos, especialistas e pesquisadores em reuniões, assembleias e audiências.

Utilizo duas figuras de linguagem para descrever o que acompanhei, especialmente em janeiro e fevereiro de 2019. O oximoro rotina extraordinária indica como eram os dias na cidade, movidos pelas incertezas, pela insegurança e pelo sofrimento. O pleonasmo cotidiano ordinário remete à vida na comunidade, sobretudo ao trabalho na roça, indicado constantemente pelos moradores como atividade fundamental que, somada aos rituais e festas católicos, definiam os dias e os períodos do ano. O cotidiano aparece nos modos de vida interrompidos pelo rompimento da barragem, enquanto a rotina nesses cinco anos incompletos do desastre é imprecisa e temporária.

Pude observar duas metodologias construídas pelos moradores para lidar com o extraordinário. A primeira delas é a comparação entre antes e depois do desastre. Os moradores narram o passado e suas formas cotidianas comparando-o com o presente, assim como analisam as condições atuais sempre em referência ao passado. Esse método comparativo é fundamental para a luta das atingidas e dos atingidos, pois mobiliza as deliberações e reivindicações comunitárias, como percebi nas reuniões com os moradores e os técnicos da Renova. Dessa maneira, os moradores não pretendem reproduzir o passado como era “antes”, pelo contrário, marcam a impossibilidade dessa reprodução ao indicarem os modos de vida estabelecidos na comunidade como bases para a construção de possibilidades de vida na cidade e no reassentamento.

O segundo método também é evidente nas reuniões das atingidas e dos atingidos com os técnicos, é o que os moradores chamam de “ir aos poucos”. Trata-se de uma tentativa de controlar o tempo, já que “o tempo está a favor” das mineradoras, como dizem em referência ao controle que as empresas têm dos processos jurídicos, das etapas da “reparação” e da construção do reassentamento, das indenizações e das reuniões. Voltei minha atenção para essa metodologia quando uma moradora me aconselhou a “ir aos poucos”, desse modo percebi que elas e eles seguem esse mesmo conselho ao exigirem mais debates antes das deliberações. A discussão é uma forma da comunidade decidir: os moradores precisam conversar a despeito dos prazos estipulados pelas mineradoras. “Indo aos poucos” é que se identificam os problemas e se constroem as alternativas.

Um ano depois, os argumentos elaborados a partir da pesquisa de campo aparecem sob uma nova perspectiva. Não estou com os moradores de Paracatu de Baixo, apesar de acompanhá-los de longe. As notícias que tenho são esparsas em relação aos procedimentos na pandemia. Minhas interlocutoras principais dizem que “está tudo parado”. Não posso dizer, portanto, como esses métodos que citei acima se estabelecem agora, mas tento pensá-los a partir do que me indicaram anteriormente e atualizá-los em forma de analogias.

A pandemia se espalhou pelo Brasil em meados de março de 2020. Estive em Mariana na primeira semana daquele mês, quando se ouvia falar de casos confirmados de Covid-19 nas capitais, ainda distante dos municípios interioranos. Depois de três meses, acompanho notícias alarmantes a respeito da situação em Mariana, significativamente agravada pela mineração, considerada “atividade essencial”. Além do trabalho no complexo minerador, as empresas contratadas pela Fundação Renova para realizar as obras de reassentamentos continuaram os serviços. Depois de uma denúncia, em 04 de junho de 2020, confirmou-se que 185 trabalhadores das mineradoras, da Fundação Renova e de empresas terceiradas estavam com Covid-19, isto é quase a metade dos casos do município, totalizando em 328 contaminados.

Esse nível de contaminação é alto se comparado ao lugar onde cumpro meu isolamento: Mariana, tem aproximadamente 60 mil habitantes e, em 08 de junho de 2020, 378 casos de Covid-19 confirmados; já a cidade de São Carlos, com uma população quatro vezes mais numerosa, registrou 248 casos no mesmo dia. As diferenças regionais devem ser levadas em conta na comparação, uma delas consiste nas diferentes políticas municipais e estaduais elaboradas pelos respectivos governantes. Apesar disso, as medidas sanitárias empregadas pelo Governo Federal são mundialmente reconhecidas por suas falhas. Os casos são subnotificados e não há testagem em massa, ao passo que o poder executivo se esforça para obliterar os dados e as informações acerca da pandemia.

O vírus chega sem avisar. Assim como vi e, principalmente, ouvi dos moradores de Paracatu de Baixo, o extraordinário chega sem dar sinais, age como uma força magnética que atrai tudo para si. A vida das atingidas e dos atingidos é atraída pelo desastre e seu desdobramento sem fim. A linguagem técnica, as reuniões e os processos jurídicos tornaram-se centrais para os moradores. Essa nova constituição da rotina se estabelece com forças centrífugas que espalham parentes, vizinhos e amigos; distanciam a terra e seu povo; dispersam a comunidade e reduzem as vidas de seus moradores a fragmentos públicos em jornais, pesquisas científicas e documentários.

O vírus é semelhante, mas segue progressões exponenciais, sem barragens que o parem. O vírus se espalha com potência simultaneamente magnética e centrífuga: invade pelos olhos, ouvidos, narizes e bocas; distancia e desvincula as gentes o mais longe possível até cada um ficar em sua casa. Muito tem se falado a respeito das dificuldades extremas envolvidas na exigência da cessão da circulação e do isolamento social, em descompasso com populações inteiras que são privadas das condições mínimas de moradias adequadas. Populações em situação de rua, moradores de comunidades periféricas nos grandes centros, populações indígenas e quilombolas são alguns poucos exemplos.

E quando a casa não é sua? As atingidas e os atingidos mencionam que as casas não são delas e deles, são as casas alugadas pela Renova. São pequenos espaços, sem quintal, sem roça e sem bicho que não deixam esquecer a casa anterior e a mineradora criminosa, da qual todas e todos se tornaram dependentes. Elas e eles se isolam nesses espaços onde não se reconhecem, onde veem outras ruas e outros vizinhos, sem porcos e galinhas no quintal. Não se pode voltar para casa por causa da lama. Não se pode sair de casa por causa do vírus.

A lama e o vírus se aproximam. A composição e os efeitos da lama tóxica são pouco conhecidos, assim como os do Sars-CoV-2. Os esforços empresariais e governamentais brasileiros seguem a mesma ordem. Os estudos contratados pelas mineradoras dizem que a lama não é tóxica. As (os) atingidas (os) lutam para que sejam reconhecidas as propriedades contaminantes nos rios, que mataram os peixes; na terra, cujos legumes e frutas não aparentam àqueles colhidos pelos agricultores; na poeira do ar, que causa tosse e alergia. As empresas também não determinam a causalidade de doenças respiratórias, estomacais e dermatológicas desenvolvidas em atingidas (os) pela lama de rejeitos. De maneira semelhante, os governos municipais, estaduais e federais descrevem o aumento de casos por Síndrome Respiratória Aguda Grave, sem associá-los as mortes causadas à pandemia de Covid-19.

Essas aproximações não são para mostrar as desgraças, os desastres e nem mesmo o fim. Longe disso, pois não testemunhei o fim quando estive com os moradores de Paracatu de Baixo. Também não tenho a intenção de exaltar a resistência e o modelo exemplar da luta das (os) atingida (os). Recorro à comunidade para pensar em métodos. Seguir as atingidas e os atingidos mostrou a possibilidade de criar metodologias no extraordinário. Nos casos específicos que mencionei acima, o método comparativo evidencia a pandemia como um marcador. O movimento seguinte não é a “volta ao normal”, não há terra e tempo como havia anteriormente. Não há recursos, bens e seres passíveis a ser manuseados, extraídos, deslocados ou retirados sem nenhuma consequência ou constrangimento. Nenhuma saída extingue os problemas, mas indica uma possibilidade que não reproduza a destruição anterior. “Ir aos poucos” se tornou imprescindível.

O último desdobramento que gostaria de apontar refere-se a própria noção de atingida e atingido. O conceito reivindicado pelos moradores de Paracatu de Baixo nomeia uma condição dentro de um processo político histórico de lutas sociais. Elas e eles afirmam que são “atingidos todos os dias”, já que os efeitos do desastre não se restringem à destruição e ao deslocamento em 2015. Como a pandemia se encaixa no extraordinário que os aflige? Seria mais um elemento de “ser atingido”, somada ao desastre, ao deslocamento compulsório, à imposição de práticas e conhecimentos, à restrição e impedimento de seus modos de vida, às ameaças de novos rompimentos de barragens? A etnografia segue “aos poucos”.

O extraordinário está lá e aqui. Sempre esteve na rotina de povos deslocados, criminalizados, marginalizados. As novas questões referem-se ao seu avanço inevitável, impossível de se esconder nas periferias globais. O extraordinário assola e destrói desigualmente. O que as atingidas e os atingidos me ensinaram é que não há depois, não se volta ao “normal”, volta-se (em outro sentido) para aquelas e aquelas ao lado, para a construção de comunidade, de casa e de vida.[1]

São Carlos, São Paulo, 9 de junho 2020.


[1] Agradeço a Jorge Villela, Sara Munhoz e Paula Araujo por lerem e comentarem este texto e por estarem comigo, mesmo que a alguns quilômetros de distância.


3 comentários em “A imposição do extraordinário”

  1. Que excelente reflexão Gabriela. Vou compartilhar com meus alunxs numa disciplina remota que devo ministrar em breve, Antropologia e História. Sua análise é ótima para pensar como manejamos o tempo entre situações ordinárias e extraordinárias. Parabéns e siga firme!

    1. Olá Juliane! Agradeço muito pelo comentário. Que ótimo que você gostou e que o texto poderá contribuir nas aulas. Podemos seguir em contato. Muito obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.