A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

foto dos autores

Estamos em casa, esperando a pandemia passar. Assim, a casa não se transformaria também em um espaço-tempo da dimensão da espera (VIDAL, MUSSET, VIDAL, 2011)? Como é habitar essa casa que ganha uma nova função: o lugar de cumprir uma quarentena. A rua, tão importante para as sociabilidades das classes populares, foi reduzida a um mero local de passagem, de deslocamento para atender às necessidades fundamentais à sobrevivência? Este texto resultou de uma atividade remota com a equipe do projeto de extensão “Políticas públicas e espera: ações para garantia e preservação de direitos”, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, em Campos dos Goytacazes/RJ.


1.

Da janela do meu apartamento, localizado em uma região alta da cidade, consigo ver todos os prédios com suas luzes acesas à noite e o bar do “Cisso”. A sala de estar é o lugar de encontro, onde meus pais, meu irmão e eu compartilhamos histórias, assistimos televisão e fazemos nossas refeições, à mesa de jantar. Assim, podemos comparar a situação atual, com a dos navios de imigrantes estrangeiros atracados em quarentena: as casas como lugares da espera.

Imagem e texto: Igor Gonçalves Pereira
Osasco/bairro Vila Yara, 24 maio 2020


2.

No início, minha casa ressignificou-se de fortaleza à uma prisão. Aos poucos, as janelas tornaram-se protagonistas da casa, de onde eu via o mundo. Agora trabalho do quarto, mas coloquei a mesa em baixo da janela. A sala tornou-se o lugar de encontro da família. A varanda é a câmara de desinfecção – de pessoas, objetos, alimentos, tudo. Acabei percebendo o papel crucial da janela para minha casa voltar a ser fortaleza.

Imagem e texto: Aline Ferreira de Azevedo Cruz
Campos dos Goytacazes/bairro Parque Califórnia, 20 maio 2020


3. 

Isolado, no terceiro andar, vejo janelas
Vejo janelas, da minha casa e de outras casas e suas janelas
Janelas de madeira, de vidro, de material aproveitado, de alumínio…
Nas janelas, suas cortinas ou tecidos que imitam uma cortina.
Uma conclusão: um conjunto de casas em um bairro popular campista

O mais importante da janela: a do meu quarto, por ela converso com minha amiga e nela compartilhamos informações, decepções, novidades e risos, mas a pergunta que prevalece: quando iremos sair das janelas?

Imagem e texto: Diogo da Cruz Ferreira
Campos dos Goytacazes/bairro Parque Califórnia, 22 maio 2020


4.


Somos cinco pessoas em minha casa, temos um pequeno quintal com plantas, muitas plantas, são o “xodó” da minha mãe. Da janela do meu quarto, vejo a rua detrás da minha casa e da sacada, vejo a minha rua, tenho observado crianças brincando, homens reunidos na calçada e, nos fins de semana, muita agitação, churrasco, ouço palmas, karaokê com gente gritando “viva Coronavírus”, brigas de vizinhos, cultos religiosos, música alta e o ato mais proibido do momento; aglomeração de gente.

Texto e imagem: Larissa dos Santos Silva
Campos dos Goytacazes/bairro Rio Branco, 24 maio 2020


5. 

Ocupo o tempo ocioso com diversas atividades para tentar acalmar a mente quando bate a ansiedade: faço exercícios físicos, arrumo a casa, testo receitas novas (algumas vezes não dão muito certo, mas faz parte). Minha casa tem uma sacada com vista para a rua. À tardinha sempre fico lá, ouvindo música e observando o movimento dos carros, das pessoas que passam. Isso me dá uma sensação de estar fora de casa. Minha rua sempre foi muito movimentada. Nestes tempos, está silenciosa como nos dias de domingo.

Imagem e texto: Débora Monteiro de Souza Sales
Campos dos Goytacazes/bairro Vicente Dias, 23 maio 2020


6.

Moro no apartamento que construí em cima da casa dos meus pais. Das janelas e do terraço, tenho uma visão de quase 360° do entorno. Neste período de confinamento, tenho trabalhado na cozinha, cuja porta se abre para o terraço. Assim, vejo as minhas plantas, as árvores das calçadas e os pássaros; ouço seus cantos e os sons externos. Sobretudo observo as relações de vizinhança, a importância da rua para os encontros. Vejo a cidade que ainda não se desfez.

Imagem e texto: Teresa Peixoto Faria
Campos dos Goytacazes, Bairro Turf Club, 20 maio 2020


Tratamento das imagens: Marcus Cunha, Designer gráfico/UENF.

Referências Bibliográficas

Breviglieri, Marc. L’horizon du ne plus habiter et l’absence de maintien de soi en public. In : CEFAI, Daniel; JOSEPH, Isaac (org). L’héritage du pragmatisme. Conflit d’urbanité et èpreuves de civisme. 2002. p. 319-336.

VIDAL, Laurent; MUSSET, Alain; VIDAL, Dominique. “Sociedades, mobilidades, deslocamentos: os territórios da espera. O caso dos mundos americanos (de ontem a hoje)”, Confins [Online], 13 | 2011, em linha desde o dia 30 Novembro 2011. URL : http://confins.revues.org/7274. Consultado o 03 Setembro 2015.

Campos dos Goytacazes, 26 de maio 2020.


18 comentários em “A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19”

  1. Muito interessante a idéia e as diversas manifestações. Nestes tempos de pandemia/pandemônio “Vejo a cidade que ainda não se desfez.”

  2. Tetê, minha amiga, a ideia é maravilhosa. Ao ler os relatos, senti que errei (apenas por um momento) em não me esforçar para lecionar na Universidade. Isso porque, quando pedi aos meus alunos do Parque Guarus, do terceiro ano do ensino médio, para escreverem algo curto sobre sua casa, sua rua e seu bairro, o que veio mostrou a minha inutilidade. Não aprenderam (e a culpa não é deles) a olhar ao redor, olhar o entorno. E a escrita é tão primária que dói. Os relatos que li do seu trabalho (e dos seus colegas) são de pessoas que têm (se não têm, terão) amplitude de mundo. Repito: ideia excelente e as respostas, ídem. Invejo você.

    1. Grata grande amigo Avelino!!
      Sua opinião é muito importante, você escritor crítico e pensador da
      das questões políticas e sociais e da nossa Campos!
      Cada um de nós traçou o seu caminho a seguir. E de onde estamos contribuímos para a construção do conhecimento e mudanças na sociedade.
      O trabalho que tentou com seus alunos do ensino básico foi importante e o retorno deles mesmo da forma simples já foi muito importante. E para nós, críticos, é mais uma forma de demonstrar a desigualdades existentes no nosso país. A crise do Coronavírus escancarou isso. Não desista deles.
      Sigamos na nossa luta!

  3. Os relatos nos convidam a peceber a nossa capacidade de reinvenção e, a partir de uma necessidade, a nossa nova forma de lidar com o ambiente casa e com as pessoas que conosco habitam. Um aprendizado, a cada dia. Parabéns pelo trabalho!

    1. Grata querida Silvana.
      Isso ! boa reflexão! Queria justo este olhar da colega arquiteta e sensível às questões sociais!
      Vamos pensar junt@s a questão da casa (para quem tem e para quem não tem e/ou mora precariamente).

  4. Parabéns pela iniciativa e beleza dos trabalhos. Estarmos em “confinamento” tem possibilitado um encontro com nós mesmos e com a simplicidade da vida!! Sejamos felizes, ainda que em tempos de pandemia.

    1. Sim querida Luciana, a nossa capacidade humana de adaptação e de termos um olhar positivo mesmo em condições adversas. E transmitir isso para o outro.
      Grata!

  5. Me identifiquei demais com as reflexões de vocês. O imaginário nos transporta para onde as asas podem nos levar, principalmente agora. Parabéns pelo projeto e que venham mais!

    1. Sim querido Pró-reitor de Extensão da Uenf e amigo. Sua opinião é, evidentemente, importante!
      Grata pelo comentário que noa instiga a continuar!

  6. A cada relato um misto de emoções e um sentimento de que as janelas estão a proporcionar o poder de ir lá fora. Parabéns a equipe pelo trabalho. Muito bacana!!

    1. Tocar as pessoas, era um dos objetivos, pelo seu comentário de de outros vi que alcançamos.
      Estamos mundialmente vivenciando o mesmo problema experimentando as mesmas sensações, respeitadas as realidades de cada país.
      Grata pelo comentário!
      .

  7. Muito interessantes esses relatos. Todos nós, nesse momento de “confinaria”, descobrimos e redescobrimos, além de cantos (lugares e vozes) e paisagens, agires incompreensíveis (para quem
    ‘podeficaremcasa’), como o desafio do invisível (crível?) pela necessidade!

  8. Que belo!
    Assim, estamos todos! Redescobrindo o ambiente que vivemos, cantinhos que nunca olhamos, observamos ” quadros de artes naturais” pelas nossas janelas e varandas , alguns privilégios desse momento, triste e enriquecedor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.