Verbete pandémico

por Francisco Freire, PhD em Antropologia (NOVA FCSH), investigador do CRIA-NOVA FCSH, PI do projeto ERC CAPSHARA


Contra a espectativa de alguns agoirentos animais, avançamos, sem rebuço (como nos diz o estado), para uma primavera de mera calamidade. As liberdades e garantias estão de volta! A constituição, apoiada pela distribuição de máscaras e viseiras, volta a reger os destinos de uma turba animada com a possibilidade de voltar ao posto de trabalho e de rapidamente se despir em calientes areais.

Ilustração: Bruno Borges

Por uma série de motivos, que por mera preguiça posso chamar infortúnios, acabei por passar três meses sentado no bairro do Lumiar na cidade de Lisboa. Não assisti a canções à janela, nem a fogueiras comunitárias. O serviço de eletricidade funcionou impecavelmente, o que nos permitiu conservar víveres durante longas semanas. Felizmente há agora a possibilidade de desconfinar, e pelo que constato na telefonia há já uma certa animação no ar. Contam-me que na Fonte da Telha é impossível estacionar, e que as casas que vendem caracóis estufados retomam as vendas a grande velocidade. Estes apontamentos afirmam uma geral perseverança que até nos piores momentos se apresenta.

É este um sentimento há muito assinalado, por vítimas de outras – piores – maleitas. Veja-se quando a tifoide flagelou Atenas há quase 2500 anos: “Uma vez que consideravam que a vida das pessoas e riquezas eram igualmente transitórios, resolveram que valia a penas gozar rapidamente o que lhes dava prazer. Ninguém estava interessado em sofrer com antecipação por aquilo que parecia honroso porque, não sabendo se iam morrer antes de alcançar esse objectivo, o que quer que desse imediato prazer ou a isso levasse, passava por nobre e útil” (Tucídides, História da Guerra do Peloponeso, Livro II, capítulo 53).

Lá, como cá, peste conjugava-se com fome (limós). Tucídides, contudo, marcou este período como simples anotação a um quadro muito mais amplo onde guerra e política se impuseram como os verdadeiros marcadores históricos (outros clássicos distanciam-se mais ainda de quaisquer entendimentos pandémicos, propositadamente silenciando os tempos da peste).

E o que dizer por cá? Quando as ardentes aventuras do rei Sebastião se associaram à infernal Peste Negra?! Ou há um século, quando a Europa se entreteve a repor a tríade medieval– fome, peste e guerra – nas margens do Somme e paragens afins.

Não sei se esperança, ou engano, serão as palavras a usar numa súmula das viagens pandémicas. Mas a informação disponível no Lumiar, em 2020, parece confirmar a uma proximidade semântica entres as duas.

Lumiar (Lisboa), 28 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.