O pandemónio da ciência: ruídos e silêncios

por Vasco Gil Calado, PhD em Antropologia (ISCTE) e investigador no SICAD


Não há dúvida que vivemos tempos de afirmação da ciência em geral e das biociências em particular. Tanto quanto me lembro, nunca como agora lhes foi dada tanta importância e jamais os avanços tecnológicos foram vistos como absolutamente cruciais, incluindo, para alguns, como o garante da sobrevivência da espécie, sob ameaça de um vírus desconhecido.

foto do autor

É certo que, a par da ciência, andam as ideias new age e as teorias da conspiração, que visam minar a autoridade da ciência e atuar como contrapoder, tomando o lugar que em séculos passados era o da religião, mas é verdadeiramente impressionante como em tão pouco tempo se gerou tanto conhecimento e se adotaram políticas públicas com base nesse conhecimento.

Mais do que isso, nunca como agora se publicou tanto e tão rápido sobre o mesmo assunto ou se deu tempo de antena a tantos especialistas e de áreas tão diversas. Médicos de saúde pública, epidemiologistas, pneumologistas, virologistas, infeciologistas, matemáticos, biólogos, um sem fim de disciplinas e especialidades, a todos se conferiu autoridade e pertinência públicas.

Em contrapartida, nunca como agora se publicaram tantas peças jornalísticas cheias de ruído e flagrantemente pouco fundamentadas que começam com “segundo um estudo”. Nunca como agora foram notícia artigos científicos que ainda não foram alvo de revisão científica, como se a ausência desse crivo fosse apenas um pormenor. E, receio bem, nunca como agora tivemos tantos bioespecialistas a dizer coisas tão diferentes e antagónicas, estando de acordo apenas numa ideia: não há certezas e temos todos que esperar para ver o que acontece.

Posso ter estado desatento, mas o que eu não ouvi foi a voz das ciências sociais, nomeadamente a da Antropologia. O que é pena, pois vive-se não apenas uma crise sanitária, mas também uma óbvia crise económica e social, onde o medo e a perceção de risco desempenham papéis absolutamente determinantes. Em suma, uma crise que não afeta as pessoas todas por igual e cujas consequências são socialmente assimétricas. Uma crise em que distanciamento físico e distância social se confundem.

Se há disciplina que tem um sólido corpo de conhecimento sobre a saúde e a doença a partir de uma perspetiva não biomédica e uma longa tradição de questionar o biopoder é a Antropologia. A Antropologia Médica nasceu da crítica ao modelo imposto pela medicina ocidental e à forma como olha apenas para a árvore sem ver a floresta e muitas vezes falha em perceber que a saúde e a doença estão muito para lá do que se consegue ver num microscópio, numa ressonância magnética ou no resultado de umas análises ao sangue.

Claro que a Antropologia pouco tem a dizer sobre a forma como o sistema imunológico consegue vencer um vírus ou a melhor forma de impedir a transmissão de um novo agente infecioso, mas teria muito a dizer acerca do impacto social de medidas públicas adotadas exclusivamente com base em critérios biológicos, tal como acerca do controlo e do pânico social e da forma como as pessoas agem em situação de crise.

Lisboa, 27 de maio 2020.


Um comentário em “O pandemónio da ciência: ruídos e silêncios”

  1. Muito bem.
    A forma como o sistema imunitário reage ao vírus, parece estar muito relacionada com a perceção do risco e o medo (alternância entre sistemas simpático e parassimpatico) e ptt tb aqui a Antropologia, poderia contribuir com uma explicação com base nas independências menos óbvias…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.