A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades!

[ clique nas imagens para aumentar ]

No Barreirinha bar café sentei-me num banco e deixei-me a olhar o mar… Senti a igreja do socorro a espreitar-me.
Lembrei-me da minha amiga Sofia Maul . Sei tão bem como ela gosta deste cantinho.
Desci pelo beco que vai ter ao Forte de São Tiago e senti a ausência do senhor brasileiro que todas as noites cantava as mesmas canções…
Passei pelo Largo do Corpo Santo pela Rua D. Carlos I – tudo calmo. Muito espaço… e lembrei-me de N vezes em que passei por ali e de N vezes que o Rui protestou pelo facto de as esplanadas estarem a invadir o espaço público…
Ao fim de uma meia hora encontrei um pimpolho a abanar os papelotes loiros no meio da estrada sem que ninguém lhe tenha gritado – Cuidado Olha os carros!
Passei pelo mercado dos lavradores e fez-me falta o colorido das floristas, à porta.
Cruzei a Fernão Ornelas e gostei de não ouvir a música louca de Tezenis.
Não sei se consegui evitar o esboço de um sorriso quando me cruzei com uma rapariga que, com um ar açaimado, passeava dois cães com os focinhos ao leu.
Passei na ponte que assumiu o nome daquela que ainda se chama Bazar do Povo.
Subi a Rua dos Ferreiros e dirigi-me à Rua do Castanheiro. No hotel com o mesmo nome apanhei dois galhos de buganvília. Mais acima li com outro olhar um grafiti que muitas vezes me chamou a atenção: O VAZIO OCUPA MUITO ESPAÇO! Mais acima, à entrada do túnel recolhi mais dois galhos do arbusto para compor o ramalhete que ofereceria à minha prima Leonor Basílio que faz anos. As floristas estavam todas fechadas!
Estava a entardecer, mas poderia ser de manhã ou mesmo à hora do almoço… Era quinta feira, mas poderia ser sábado ou domingo… os dias perecem-me iguais.
Voltei a casa e encontrei-me com a Leonor.
Rimo-nos as duas porque as cores das flores condiziam com as das nossas roupas, não esquecendo as máscaras… Parecíamos duas palhaças, mas estávamos felizes!

Funchal, 23 de abril  2020.

Foi há um mês, precisamente, que escrevi este texto. Entretanto houve já uma primeira e uma segunda fase de confinamento. Por necessidade já desci ao Centro e apercebi-me de que a mudança estava gradualmente a acontecer… Veem-se algumas filas de pessoas mascaradas, que garantem a distância de um metro entre si… Aquele que não usar mácara sentir-se-á um intruso. Somos seres de hábitos! Algumas lojas abertas intercaladas com outras fechadas, restaurantes à espera de clientes… As esplanadas, certamente começarão a ganhar vida, pois os espaços interiores tem restrições apertadas…

E vejo coisas que me desagradam: máscaras cirúrgicas espalhadas pelo chão, pelos jardins… copos de papel descartáveis atirados por todo o lado como se o caixote de lixo fosse um objeto desconhecido dos seres que habitam este planeta Terra em pleno séc. XXI.

E sinto uma vontade de fugir para casa!

E com um sentimento de incerteza deixo-me  a pensar… a pensar… a pensar…

Funchal, 23 de maio 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 1 Junho). A MINHA CIDADE. CONFINARIA. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/n29a

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search