O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19

por Vladimir Bezerra, Psicólogo clínico, Doutorando em Saúde Coletiva pelo Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz (IFF-Fiocruz) – Rio de Janeiro, Brasil


A prática clínica em psicologia tem se deparado nos últimos dois anos com alguns casos circunscritos na relação entre os sujeitos, seus corpos, e a profilaxia pré-exposição (PrEP). De modo geral, há certa predominância nas narrativas de uma experiência corporal mais intensa a partir da utilização da PrEP, fator positivo para seus usuários.

Por outro lado, como tenho pontuado em artigos oriundos de meu percurso em pesquisas etnográficas sobre sexualidade masculina, PrEP e o sexo bareback(1) entre homens na cidade do Rio de Janeiro, o corpo e os sentidos (visão, olfato, tato e paladar) no contexto das PrEP, tem representado uma espécie de “império”(2) sobre o sujeito.

Em tempos de risco de infecção pela Covid 19, e necessidade de isolamento social de modo a evitar a proliferação de novas infecções, o que alguns usuários da PrEP tem a dizer sobre o isolamento?

A preponderância do corpo e dos sentidos desafia profissionais da área da saúde, além de cientistas sociais dedicados às pesquisas sobre sexualidade e comportamento a refletirem mais criticamente sobre a cultura, e mais especificamente sobre as dinâmicas sociais de determinados grupos e práticas sexuais consideradas “dissidentes”, como o sexo “pig”(3) ou o próprio bareback. Nessa ótica, a “escuta” do pesquisador – entendida aqui como as possíveis reflexões oriundas da equação entre o que ouve e o que vê em seus campos de trabalho –, se torna um desafio.

É incontestável que no mundo, e no Brasil, respostas sagazes das políticas públicas de saúde às questões mais subjetivas das políticas de cuidado de si têm sido dadas. Desde o ano de 2010, com a divulgação dos primeiros resultados do estudo iPrEX pelo The New England Journal of Medicine(4), até introdução da PrEP no Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil em dezembro de 2017, as mais recentes notícias sobre pesquisas sobre a PrEP injetável são provas dos avanços na área.

Como informa o infectologista Rico Vasconcelos, “a PrEP chegou a esse mundo em um momento muito oportuno, uma vez que as campanhas de prevenção de HIV baseadas no uso de preservativos já mostravam sinais de esgotamento, e ainda registrávamos em todo o mundo mais de 2 milhões de novos casos da infecção anualmente…”(5)

Contudo, ao observar alguns grupos de homens que fazem sexo com homens (HSH) em festas privadas ou comerciais de sexo bareback (ou não), parece urgente olhar cuidadosamente para determinadas discriminações, hierarquias sociais, e discursos que passam marcar comportamentos não apenas sexuais, mas sociais. A quebra do isolamento social, é um destes fenômenos.
Nesse sentido, observo um filtro recorrente nas falas sobre a quebra do isolamento social durante a pandemia: “o que determina se vou transar com a ou b é se usa PrEP ou não”. Bem, se o preservativo é cada vez mais colocado no papel do “vilão” do império dos sentidos, algumas reportagens já indicam que os comprimidos da PrEP podem “estar com os dias contados”(6), e pesquisadores apontam que a forma injetável de PrEP é ainda mais eficaz na prevenção ao HIV do que as doses diárias, restam mais perguntas do que respostas.

No “império” do corpo e dos sentidos, onde o desejo e o prazer preponderam, mesmo em tempos de Covid 19, o que representa a PrEP para seus usuários? Nos contextos de sociabilidade gay (digital ou não), a PrEP se torna uma espécie de “antídoto” contra o perigo da infecção pela Covid 19?

Rio de Janeiro (Brasil), 22 de maio 2020.

Referências:

DUARTE, LUIZ Fernando Dias. O império dos sentidos: sensibilidade, sensualidade e sexualidade na cultura ocidental moderna. In: Sexualidade: o olhar das ciências sociais. Rio de janeiro: Zahar, 1999.

VASCONCELOS, Rico. PrEP injetável de longa duração é eficaz e segura na prevenção do HIV. https://ricovasconcelos.blogosfera.uol.com.br/2020/05/22/prep-injetavel-de-longa-duracao-e-eficaz-e-segura-na-prevencao-do-hiv/ . Acessos em 22 maio 2020.

DIAS, Sureña. Estudo aponta que PrEP injetável é mais eficaz do que comprimidos. https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/2020/05/estudo-aponta-que-prep-injetavel-e-mais-eficaz-do-que-comprimidos . Acessos em 20 maio 2020.

GRANT, Robert et Al. Preexposure Chemoprophylaxis for HIV Prevention in Men Who Have Sex with Men. https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1011205 . Acessos em 20 abril 2020.

Notas:
(1) Sexo sem preservativo.
(2) Em referência direta a Luiz Fernando Dias Duarte, e seu artigo “O império dos sentidos” (1999).
(3) Na tradução livre, “sexo sujo”.
(4) Ver o estudo em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1011205
(5) Fonte: https://ricovasconcelos.blogosfera.uol.com.br/2020/05/22/prep-injetavel-de-longa-duracao-e-eficaz-e-segura-na-prevencao-do-hiv/7 Fonte: https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/2020/05/estudo-aponta-que-prep-injetavel-e-mais-eficaz-do-que-comprimidos.
(6) Fonte: https://observatoriog.bol.uol.com.br/noticias/2020/05/estudo-aponta-que-prep-injetavel-e-mais-eficaz-do-que-comprimidos .



Citar este post
CRIA (2020, 28 Maio). O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19. CONFINARIA. Recuperado em 2 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/n298

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search