Os infetados

por Marta Maia, investigadora pós-doc (CRIA-ISCTE)


Desde há meses, que me parecem anos, tal não estou eu perdida no tempo que se esvaziou da sua normalidade (normalidade, doce normalidade…), o dia-a-dia é pautado por discursos confusos, notícias angustiantes e imagens assustadoras. “Ninguém escapará ao contágio!” E como escapar ao contágio do pavor e da ansiedade? “Portugueses despedem-se desanimados”. Estaremos mesmo desanimados? “Lisboa é uma “sombra”. Será? A mim parece-me ainda mais bonita sem o ruído das multidões de turistas vagarosos e cidadãos apressados.

foto da autora

Covid-19 avança.” Os noticiários soam a filme de terror, onde um monstro avança pronto a matar todos os que encontrar pelo caminho. “Itália bate recorde de mortes”. A contagem dos diagnósticos de infeção por SARS-CoV-2 (os infetados) e dos casos não confirmados (os suspeitos) e de pessoas falecidas (os mortos) nos diversos países do mundo faz-se em tom de concurso do horror. “Mais casos infetados com Covid 19” (quereriam dizer casos de COVID-19?), dizem, sem se dar conta da incorreção dos termos lançados, quais disparos desorientados de setas do susto. “Médico chinês morre de cansaço”, conta-se, à maneira de uma série televisiva em que os episódios se sucedem inventivamente. “Marcelo visitou infetados” (isto é, pessoas infetadas). “Emergência”. “Calamidade”. O clima é de ameaça, medo e incerteza.

Assusta-me a linguagem que desde o início se usa para este “filme” que parece de terror, com os assombrosos “infetados”, os inquietantes “suspeitos” e os perigosos “casos”…

As reações à pandemia redesenham os mapas das nossas relações através do grau de confronto com o risco e os mapas das nossas emoções através da intensidade do medo. Sentir-se vulnerável ou não, estar preocupado ou nem tanto, estar “na linha de frente”, como dizem, mobilizado ou alheio ao desconcerto planetário causado por este novo coronavírus, sentir-se empobrecido por causa das repercussões económicas do confinamento ou considerar-se um privilegiado, ser solidário ou afastar-se de tudo o que lembra a doença, são muitas as reações e situações arraigadas no alvoroço da pandemia de COVID-19, doença provocada pelo SARS-CoV-2. Nasceram novas experiências que moldam os relacionamentos e redefinem graus e formas de proximidade, com os outros e consigo mesmo.

É um tempo de paradoxos. O turbilhão de novas experiências e emoções coabita com o vazio das ruas. A multiplicação das comunicações, que se declinam num sem número formas de se relacionar com “distância de segurança”, partilha o espaço do sentir com a ausência de encontros e abraços de carne e osso. O prazer do tempo livre coexiste com a dor da barriga vazia, o sentimento de culpa pelo que se deixa de produzir ou a angústia da incerteza do amanhã. O tempo esticou ao mesmo tempo que encolheu. O confinamento e a sua versão “light”, o desconfinamento, parece nunca mais acabar, mas os dias parecem ter encurtado, não chegam para tudo o que quero fazer. A profusão de mensagens e conversas atrás dos ecrãs esconde um deserto de toques calorosos, daqueles que nos fazem sentir existir.

Lisboa, 18 de maio 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 27 Maio). Os infetados. CONFINARIA. Recuperado em 21 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/n295

3 comentários em “Os infetados”

  1. Obrigada Paula!
    Nesta situação atípica damo-nos conta que somos muito mais do que organismos vivos, de pele, carne e osso. Podemos continuar a existir depois de morrer, mas dificilmente podemos existir em vida separados dos outros.
    Beijinhos

  2. Grande exactidão nesta descrição onde me revejo na totalidade. Um belo texto deste e neste tempo. Parabéns Marta senti todas as tuas frases, mesmo palavras, até me senti mais leve, infelizmente todo este sistema que altera o nosso sistema físico é psíquico, social está aí. Beijinhos. Está espectacular, grande capacidade de observação e sensibilidade social/humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search