Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento

por Amélia Frazão-Moreira, Aida Lopes, Alexandra Alinho Barroso, Alexandre Balreira, Alexandre Real, Ana Sofia Pedrosa, Anastasiya Vereha, Andreia Santos, Catarina Ferraz, Cátia Sousa, Clara Vieira, Constança Quaresma, Daniela Gomes, Gadea Claver Barrios, Gonçalo Tomé, Inês Aldeano, Inês Caeiro, Inés La Iglesia Mirones, Inês Osório, Inês Santos, Inés Saiz Álvarez, Joana Farinha, Joana Gusmão, Maria do Rosário Barbosa, Rafaela Nogueira, Raquel Moleiro, Rita Correia, Sara Baptista, Tânia Rodrigues , docente e estudantes de Etnoecologia (licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH)


Podem estar num quintal, num jardim, numa varanda, numa sala ou cozinha… São as plantas das nossas mães, avós, ou lá de casa… povoam o espaço a que estamos confinados. Mas será que as conhecemos? Já pensámos porque estão ali?

Na unidade curricular de Etnoecologia, os trabalhos práticos foram substituídos pela realização de uma descrição, do registo, de um homegarden que estivesse acessível. Alguns relataram o seu próprio homegarden (quiçá, nalgum modismo não virão a falar da invenção da “auto-etnobotânica”!). Procurou-se saber que plantas aí se encontravam e as razões, memórias e emoções dos seus proprietários.

Foram retratados 27 homegardens no total, desde “verdadeiros” quintais ou jardins (12) até a conjuntos de vasos em varandas, escadas ou dentro de casa (15). A maioria na zona de Lisboa, mas também noutros locais familiares, refúgio em tempo de pandemia – Setúbal, Alentejo, Funchal, São Miguel, Burgos, Madrid e Chernivtsi (Ucrânia). Foi uma experiência que permitiu a muitos verem pela primeira vez plantas pelas quais, diária ou amiudamente, passavam sem ver.

Foi interessante constatar que, tal como a literatura refere (e.g. Ezaguirre e Linares 2004, Carvalho 2016), este é um universo sobretudo feminino, já que a maioria dos “donos” das plantas são mulheres.

[ clique  nas imagens para aumentar ]

E o que há, senão mais, muito, nestes homegardens? Catos e plantassuculentas… Não que as pessoas os reconheçam pelo nome, pois, ao contrário das outras plantas referidas, a sua identificação é na grande maioria das vezes sumarizada na designação generalista – “cato”. Com exceção do aloé-vera! planta tropical milagreira que conquistou recentemente os nossos espaços e que foi encontrado em 10 homegardens. Mas, claro, também há “flores”, as mais recorrentes são as orquídeas e as roseiras, e plantas aromáticas ou condimentares, sobretudo, hortelãs, alecrim e salsa. Em quase todos os quintais ou jardins há um limoeiro e, em muitos, uma laranjeira.

As plantas são escolhidas por razões estéticas e utilitárias, por serem decorativas, alimentares ou medicinais. Mas também para se “ter algo de natureza na casa” e, nalguns casos, trazer para a cidade um pouco do passado vivido no campo. Estes homegardens foram-se fazendo; umas plantas foram compradas, mas muitas outras foram oferecidas (entraram em “circuitos de dádiva” diríamos!) por vizinhos, amigos, família, e, num caso, até foram herdadas. Remetem para memórias e sentimentos; ver essas plantas torna presente parentes, amigos e amores distantes ou já desaparecidos. Por vezes olhar e cuidar das plantas também lembra animais domésticos com estórias a elas associadas (inspirados em Haraway – espécies vegetais companheiras evocam espécies animais companheiras?). Outras plantas fazem recordar acontecimentos em família e estados de espírito que se viveram. Os seres naturais induzem emoções em nós, como bem explica Milton (2002).

Estar envolvido no microambiente de um homegarden é estabelecer uma relação emocional e “ter sensação de tranquilidade e de realização”. Suscita memórias da infância e nostalgias, como foi contado: “relembra tempos passados, de quando ainda era criança e vivia numa aldeia do Norte litoral”; “penso sempre no meu avô a regar em volta das árvores e a colher as suas frutas”; “simples facto de estar no quintal transporta-me sempre para (… quando) passava as tardes a brincar com os meus primos ou os grandes jantares em família no verão, dá-me certamente uma sensação de nostalgia e plenitude”.

Um homegarden ajuda a ultrapassar “confinamentos” vários, pois, afinal, é “um canto com um toque de verde, vivo”…

17 de maio de 2020.


Bibliografia

Carvalho, A. M. (2016) Homegardens in northestern Portugal: former features, roles, gendered knowledge and practices, Gaia Scientia, 10, 10-25.

Ezaguirre, P. & Linares, Olga (2004) Homegardens and Agrobiodiversity, Washington: Smithsonian.

Haraway, D. J. (2003) The companion species manifesto: Dogs, people, and significant otherness, Chicago: Prickly Paradigm Press.

Milton, K. (2002) Loving Nature: Towards an Ecology of Emotion, London: Routledge.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.