TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor.

foto da autora

Durante o meu ir e vir para o trabalho em uma unidade de saúde comecei a observar que outros atores também estavam a protagonizar no cotidiano da cidade. Sem salva de palmas, sem brilho da mídia sem sequer um muito obrigado. Trabalhadores que assim como eu que sofrem da precarização do trabalho e durante a pandemia não terão seus minutos de fama. A “fama” e o “reconhecimento” fabricado rapidamente pela mídia durante a pandemia começou a me incomodar, pois é incerto que esta valorização resultará em um futuro melhorias nas condições de trabalho dos profissionais que atuam na área da saúde e no sistema como um todo.

No próximo quarteirão vi o banco e uma funcionária que buscava orientar pessoas em fila. Uma espécie de triagem para entrar na agência. A bancária possuía toda aquela estética que é comumente é vista em funcionários de agencias bancárias. Acredito que a mensagem que esses funcionários devem sempre transmitir seja confiabilidade. Equilibrando-se em um sapato de salto, roupas sociais, olhos maquiados e máscara sua atitude corporal com olhos arregalados e a curvatura do corpo para fora eram o indicativo que denotava que estava um pouco desconfortável com a tarefa que lhe haviam dado.  A “mulher de negócios” estava então na linha de frente em contato direto com as pessoas.

Após um dia de trabalho resolvi observar a cidade da sacada do meu apartamento. O silêncio da noite escura é quebrado pelo zumbido das motocicletas que cortam a cidade com rapidez, sem parar pareciam com um enxame de abelhas. Os motoboys durante a pandemia são tão importantes para as cidades assim como as abelhas são para as florestas.

Em algum tempo de observação pude ver a quantidade de mercadorias transportadas pelos motoboys tais como: entrega de remédios, entrega de exames, material de papelaria, comida, itens de mercado, compras da internet etc. È notável também o maior distanciamento das pessoas com esses profissionais. Onde não há palmas e câmeras há preconceito com estes trabalhadores que cortam a cidade e tem contato com várias pessoas e colocam as suas mãos em várias mercadorias.

Os motoboys são indivíduos que viram na pandemia oportunidade de trabalho, porém assumiram o risco do trânsito e o risco da constante exposição ao vírus para que nós possamos ter mercadorias e serviços no conforto de nossas casas.

Assim quero apontar a existência de vários heróis na linha de frente nesta pandemia. Trabalhadores da saúde, do mercado formal ou informal, trabalhadores dentro e fora do lar. Nós somos todos heróis. Estamos nos reinventando, superando desafios diariamente e principalmente contando com a dedicação e profissionalismo do outro que assim como eu sofre com precarização do trabalho.  Todos somos heróis e merecemos uma salva de palmas.



Citar este post
CRIA (2020, 19 Maio). TODOS SOMOS HERÓIS. CONFINARIA. Recuperado em 13 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28x

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search